Force India confirma Pérez e mantém pilotos para temporada 2016 da F1

A Force India acabou com o mistério nesta quarta-feira ao confirmar a permanência do mexicano Sergio Pérez para a temporada 2016 da Fórmula 1. Com a renovação do contrato do piloto por mais um ano, a equipe mantém a dupla deste ano para o Mundial de 2016. No início do mês, o time já havia garantido Nico Hülkenberg para o próximo campeonato.

Estadão Conteúdo

23 de setembro de 2015 | 20h15

O anúncio encerra as especulações sobre o futuro de Pérez, cotado para se juntar à Renault, caso a fornecedora francesa decida voltar à categoria em 2016 - substituiria a Lotus. Apesar dos rumores, o mexicano sempre indicou que pretendia permanecer na Force India.

"Estou muito feliz por ter a confirmação de que permanecei na Force India. Isso significa que agora posso focar apenas no que é importante: pilotar o carro e buscar pontos para o time", disse o piloto, que defenderá a equipe pelo terceiro ano seguido. Antes teve passagem de pouco destaque pela McLaren, em 2013, e defendeu a Sauber em 2011 e 2012.

"Sempre quis me estabelecer em uma equipe e este é o momento certo para anunciar meu compromisso com o futuro da Force India. Posso sentir o potencial do time e toda sua boa energia, que me dá confiança para o próximo ano. Desde que cheguei aqui, cresci muito como piloto e sinto que estou mostrando o meu melhor", afirmou.

O acerto também foi celebrado pelo chefe da equipe, Vijay Mallya. "Estou muito feliz por Sergio. Ele tem feito um trabalho fantástico e, toda vez que entregamos um carro competitivo, ele tem dado conta do recado. Ele também tem grande atitude e nunca desiste. É o seu espírito de luta que o encaixa bem no time", exaltou o dirigente.

Pérez é o nono colocado do Mundial de Pilotos, com 39 pontos. Está à frente do companheiro Hülkenberg, que ocupa o 12º posto, com 30.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Force IndiaSergio Pérez

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.