Divulgação
Divulgação

Force India confirma renovação de Nico Hülkenberg até 2017

Alemão ocupa a 12ª colocação no Mundial de Pilotos, com 24 pontos

Estadão Conteúdo

01 de setembro de 2015 | 10h52

A Force India enfim confirmou a renovação do contrato de Nico Hülkenberg até o fim de 2017. O piloto alemão, cotado para substituir Kimi Raikkonen na Ferrari antes de a equipe italiana decidir pela permanência do finlandês, era especulado para reforçar a Haas F1 Team, futura nova equipe da Fórmula 1.

"Estou muito satisfeito por ter finalizado a negociação e decidido os meus planos para o futuro. Eu conheço esta equipe muito bem. Me sinto em casa aqui e faz todo o sentido do mundo acertar um novo compromisso com o time", comentou o piloto de 28 anos que, dos sete anos de F1, defendeu a Force India em quatro.

Ele começou a carreira na categoria como piloto de testes da Williams em 2009. Foi efetivado na equipe no ano seguinte. E, em 2011, se transferiu para a Force India. Em 2013, passou a defender a Sauber. Mas, logo no ano seguinte, já estava de volta ao time comandado por Vijay Mallya.

"Ele passou quase quatro anos conosco e, neste período, assistimos ao seu desenvolvimento, tornando-se um dos melhores pilotos do mundo. Nico tem velocidade, conhecimento técnico e maturidade para nos ajudar a conquistar grandes resultados nos próximos anos. Faremos tudo que puder para continuar entregando a ele carros nos quais poderá mostrar todo o seu talento", declarou o chefe de equipe.

Apesar de se destacar nas recentes temporadas da F1, Hülkenberg ainda tenta mostrar seus melhores resultados no atual campeonato. Ele ocupa agora a 12ª colocação no Mundial de Pilotos, com 24 pontos, um atrás do companheiro de equipe, o mexicano Sergio Pérez.

Sem exibir grande brilho na categoria, ele se destacou nas 24 horas de Le Mans, que venceu neste ano pela equipe da Porsche. Por essa razão, chegou a ser especulada uma possível transferência do piloto para o Mundial de Endurance.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Force IndiaHülkenberg

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.