Johann Groder/EFE
Johann Groder/EFE

Fórmula 1 anuncia cancelamento dos GPs do Azerbaijão, Cingapura e Japão

No total, a F-1 já cancelou sete corridas dessa temporada e é provável que a categoria inclua mais provas europeias no calendário

Redação, Estadão Conteúdo

12 de junho de 2020 | 09h30

A Fórmula 1 anunciou nesta sexta-feira o cancelamentos de mais três grandes prêmios nesta temporada: Azerbaijão, Cingapura e Japão. A decisão já era esperada e foi tomada em razão dos efeitos da pandemia do novo coronavírus.

"Essas decisões foram tomadas devido aos diferentes desafios que nossos promotores enfrentam nesses países. Em Cingapura e no Azerbaijão, os longos prazos necessários para a construção de circuitos de rua impossibilitaram a realização dos eventos durante um período de incerteza e, no Japão, restrições contínuas de viagens também levaram à decisão de não prosseguir com a corrida", explicou a Fórmula 1, em comunicado.

Com isso, no total, a Fórmula 1 já cancelou sete corridas dessa temporada. Antes, já havia anunciado o cancelamento das corridas na Austrália, Mônaco, Holanda e França. Assim, é provável que a categoria deve incluir mais provas europeias no calendário deste ano.

A programação atual tem oito corridas, todas na Europa, mas a Fórmula 1 espera ter uma temporada com 15 a 18 disputas. Os GPs do Brasil, México e Texas também estão incertos já que grandes prêmios na Ásia e nas Américas provavelmente serão cancelados devido à pandemia de covid-19.

"Fizemos progressos significativos no calendário revisado com os promotores atuais (dos GPs), assim como com novos promotores, e estamos particularmente animados com o interesse demonstrado por novas cidades para receber uma corrida de Fórmula 1 durante a temporada 2020", afirmou a categoria.

Na quinta-feira, Ross Brawn, diretor-esportivo da F1, disse que a temporada europeia pode ser prolongada com mais "uma ou duas corridas, se necessário", para que haja um número satisfatório de provas neste ano.

Brawn também revelou que outros circuitos europeus estão sendo avaliados para entrar no calendário, como Mugello e Ímola, na Itália, Portimão, em Portugal, e Hockenheim, na Alemanha.

Brawn acredita que Bahrein e Abu Dabi vão fechar a temporada e, assim, com dez corridas no calendário reformado, faltarão "pelo menos cinco ou seis boas corridas no meio" para chegar ao número desejado de provas.

A temporada da F-1, paralisada antes da prova de abertura na Austrália em 15 de março, será iniciada na Áustria, em 5 de julho, provavelmente sem torcedores. O circuito austríaco receberá rodada dupla, bem como no circuito britânico de Silverstone em agosto. As outras provas confirmadas no calendário inicial serão realizadas na Hungria, Espanha, Bélgica e Itália.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.