Diego Azubel/EFE
Diego Azubel/EFE

Fórmula 1 chega à China e equipes seguem na caça à Brawn

Times lutam para quebrar a sequência de vitórias do time inglês, principalmente após liberação do difusor

EFE

16 de abril de 2009 | 14h44

XANGAI - O Grande Prêmio da China, terceira etapa da temporada 2009 da Fórmula 1, será disputado neste fim de semana no Circuito Internacional de Xangai e terá as equipes tentando quebrar a hegemonia da Brawn GP este ano.

Veja também:

tabela F-1: classificação do Mundial

especialConfira o calendário da temporada

especialESPECIAL: jogue o Desafio dos Pilotos

No entanto, a tarefa não será fácil. A Corte de Apelação da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) validou os difusores utilizados por Brawn, Toyota e Williams, em uma decisão que foi contra as escuderias que haviam protestado - Ferrari, Renault, Red Bull e BMW-Sauber.

A peça foi apontada como um dos principais fatores do sucesso da equipe comandada por Ross Brawn, que lidera os mundiais de Construtores (25 pontos) e de Pilotos, com o inglês Jenson Button, vencedor das provas na Austrália e Malásia.

Dominando a temporada, Button tem a possibilidade de ganhar o status de primeiro piloto da equipe. Com isso, o brasileiro Rubens Barrichello poderia voltar a exercer a função de fiel escudeiro, como em seus tempos de Ferrari.

No entanto, Rubinho ainda aparece como grande destaque do Brasil na categoria e segue vivo na luta pelo título. O piloto aparece em segundo na classificação, com dez pontos - cinco a menos que Button.

Ferrari e McLaren tentarão se recuperar do início discreto, no qual perderam terreno em relação a equipes como Brawn, Toyota, Williams e Red Bull.

A escuderia italiana faz seu pior começo de temporada desde 1992, quando também ficou sem pontuar nas duas primeiras provas. Companheiro do brasileiro Felipe Massa, o finlandês Kimi Raikkonen acredita que o carro será competitivo a partir da etapa da China.

"Faltava aderência e velocidade ao carro. Colocaremos algumas peças novas na China e espero que funcionem bem, para que possamos andar mais rápido", comentou o campeão de 2007 em seu site.

Na McLaren, o inglês Lewis Hamilton disse que está satisfeito com a evolução do MP4-24 e espera poder pontuar com regularidade a partir de agora. "Algumas melhorias que fizemos no carro já poderão ser vistas nesta corrida. Espero conseguir um bom lugar no grid e passar a brigar por pontos com regularidade", disse ao site da F-1.

Ainda em busca da primeira vitória na categoria, a Toyota é uma das principais candidatas a acabar com a hegemonia da Brawn na temporada. As esperanças da equipe estão depositadas no bom carro e na fase da dupla de pilotos formada pelo italiano Jarno Trulli e o alemão Timo Glock - terceiro na Malásia.

A Red Bull e a BMW-Sauber também aparecem como fortes candidatas à vitória, enquanto a Williams precisa mostrar nas corridas a mesma força dos treinos.

Ainda sem conseguir brilhar na temporada, o brasileiro Nelsinho Piquet, da Renault, disse que a equipe está muito motivada para fazer uma boa corrida em Xangai. "A Renault está muito motivada e determinada a fazer um bom trabalho na China. Melhoramos nosso carro entre a Austrália e a Malásia, e precisamos continuar nesta direção", afirmou ao site da categoria.

Após os treinos livres na madrugada desta quinta e sexta, as equipes se preparão para a definição do grid, marcada para as 3 horas (de Brasília) do sábado. A largada, por sua vez, será às 4 horas do domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.