Divulgação
Divulgação

Fórmula 1 deve ter dois pilotos brasileiros em 2014

É grande a possibilidade de Felipe Nasr, de 20 anos, correr na categoria já na próxima temporada. Felipe Massa ficará na Ferrari

LIVIO ORICCHIO, O Estado de S. Paulo

23 de junho de 2013 | 07h49

SÃO PAULO - Ainda não há certeza e, tratando-se de uma competição complexa como a Fórmula 1, por vezes as coisas tomam rumo distinto do sugerido pelas evidências, mas são elevadas as chances de o Brasil ter dois representantes no Mundial na próxima temporada.

 

Se comprovada, é uma realidade distinta da que se poderia projetar até pouco tempo atrás, quando a possibilidade de a nação não ter piloto no campeonato, em 2014, era até grande.

 

Em entrevista ao Estado, em Montreal, Stefano Domenicali, diretor da Ferrari, respondeu "absolutamente sim" quando questionado se Felipe Massa continuaria na equipe no ano que vem. E o outro piloto do País bastante cotado para estar na F-1 em 2014 é Felipe Nasr, brasiliense de 20 anos, vice-líder da GP2, a categoria que mais fornece pilotos para a F-1.

 

"Estamos bem satisfeitos com o trabalho de Felipe (Massa). O que preocupa é o imenso desafio técnico que nos aguarda com a mudança radical do regulamento. De pilotos estamos bem servidos", comentou com o Estado Domenicali.

 

A quase confirmação de Massa numa equipe potencialmente vencedora no ano que vem não deixa de ser um estímulo para o torcedor brasileiro manter seu interesse pela competição. E cria um ambiente favorável para a estreia de um jovem talentoso como Nasr.

 

Em visita ao Estado, quarta-feira, o piloto da Carlin na GP2, mesma escuderia com que foi campeão britânico de Fórmula 3, em 2011, procurou não falar muito sobre F-1. "Claro que vai chegar uma hora, e não estamos longe disso, que vou ter de parar e começar a pensar na F-1, mas no momento minha preocupação é terminar bem a temporada da GP2, até porque se for campeão vai facilitar minha vida."

 

Na F-1, depois de sete etapas, Massa soma 49 pontos, sétimo colocado na classificação, liderada pelo tricampeão Sebastian Vettel, da Red Bull, com 132, e Fernando Alonso, seu companheiro de Ferrari, com 96. Depois de oito corridas na GP2, Nasr tem 96 pontos, segundo colocado. Este é o seu segundo ano na GP2. O primeiro é o monegasco Stefano Coletti, da equipe Rapax, com 120 pontos, no terceiro ano.

 

O piloto de Brasília garante não ter tido contato com nenhum time da F-1, ainda. "Trabalhei minha vida toda para chegar lá e espero que seja no ano que vem. É uma época muito boa para estrear porque haverá muitas novidades", diz. "Eu estrearia numa temporada em que os pilotos vão ter de aprender a conviver com o motor turbo, os sistemas de recuperação de energia, vão ter de interagir bem mais que hoje."

 

Esses desafios técnicos atraem bastante Nasr, que já criou fama de ser um piloto inteligente, com notável visão de corrida. Outro aspecto favorável é a elevada chance de Massa prosseguir na Ferrari. "É bom ter outro piloto brasileiro e em especial numa equipe como a Ferrari. Tira um pouco o peso das suas costas. Mas o desafio será, da mesma forma, grande para mim."

 

A grave crise financeira de muitos times também é um fator que pode ajudar Nasr. Ele deve começar sua carreira no Mundial num dos quatro médios da competição, Force India, Toro Rosso, Sauber e Williams. Além de competência, Nasr tem patrocinadores e o apoio da TV Globo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.