Fórmula 1 já começa a pensar em 2003

O GP da Europa, nona das 17 etapas do Mundial, dia 23, marca o início da segunda metade da temporada. Com toda certeza, já no paddock do circuito de Nurburgring, onde será disputada a corrida, o ritmo das conversas envolvendo contratações de pilotos, fornecimento de motor, definições de patrocinadores, transferências de técnicos será bem mais intenso. A cara da Fórmula 1 em 2003 começará a ser melhor desenhada na próxima prova do campeonato. O interesse pelo que irá ocorrer ainda este ano é pequeno: todos sabem que, salvo um acidente, Michael Schumacher será campeão. Dentre as três principais equipes da Fórmula 1, Ferrari, Williams e McLaren, há vaga ainda em aberto na Williams e na McLaren. Mas apenas na teoria. Nos próximos dias, Juan Pablo Montoya será confirmado como companheiro de Ralf Schumacher no time de Frank Williams. A discussão é apenas dinheiro. Ralf recebe cerca de US$ 15 milhões por ano enquanto o colombiano, US$ 2,5. Na McLaren, a vitória de David Coulthard no GP de Mônaco e a bela prova de Montreal, quando classificou-se em segundo, parecem ter garantido sua permanência na escuderia por mais um campeonato, o de 2003. Os três grandes, portanto, não vão mudar. Jacques Villeneuve está no mercado. David Richards, novo diretor da BAR, não vai pagar os US$ 16 milhões que o canadense recebe. Já avisou. Ele interessa à Renault, desde que concorde em ganhar menos. Nesse caso, seria para a vaga de Jenson Button, cujo contrato termina no fim do ano. Button tem boas chances de ser o escolhido pela Toyota para o lugar de Alan McNish. A vaga de Villeneuve na BAR pode ficar com o japonês Takuma Sato, hoje na Jordan, piloto que agrada muito à Honda, fornecedora de motor da BAR. Na Jordan, se Eddie Irvine concordar em ganhar algo como US$ 5 milhões, metade do que ganha na Jaguar, compartilhará a escuderia com Giancarlo Fisichella. Outra novidade na Jordan deverá ser a saída da Honda, daí a esperada dispensa de Takuma Sato e a chegada da Ford como fornecedora de motor. Os dois negócios devem dar certo. Já na Jaguar, Fernando Alonso, atual piloto de testes da Renault, deverá substituir Irvine. E o australiano Mark Webber, da Minardi, pode ocupar o lugar de Pedro de la Rosa. A Sauber, salvo grande surpresa fica como está, com Felipe Massa e Nick Heidfeld. Caras novas na Fórmula 1 são esperadas. O líder do Campeonato de Fórmula 3000, Sebastien Bourdais, pode ser o piloto de testes da Renault, e o talentoso brasileiro Antonio Pizzonia, também da Fórmula 3000, vem impressionando muito bem no seu trabalho de piloto de testes da Williams.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.