Tracey Nearmy/Reuters
Tracey Nearmy/Reuters

Fórmula 1 pode ter mais cancelamentos e vive impasse nos bastidores

Provas desmarcadas pela pandemia geram discussões sobre seguros e taxas de promoções

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2020 | 04h30

A modalidade que vive um dos maiores pesadelos financeiros pelo novo coronavírus é a Fórmula 1. Até agora sete etapas do calendário foram afetadas pela pandemia, entre elas duas foram desmarcadas. O campeonato só deve começar em junho e ter pela frente mais alterações na agenda e muitas discussões nos bastidores sobre como realizar acordos para compensar as perdas pelos cancelamentos.

A preocupação da categoria é resolver as brigas com os organizadores locais dos GPs e as insatisfações das equipes. Cada etapa paga em média R$ 160 milhões por ano para a Fórmula 1 como taxa de promoção, valor que não é recebido em caso de cancelamento. Outro impacto de tirar as provas do calendário é sacrificar as equipes, que dependem das corridas para fazer campanhas com patrocinadores e receber dinheiro de premiação.

"Precisamos conversar com a Fórmula 1 sobre o seguro das corridas canceladas", disse no último fim de semana na Austrália a chefe da Williams, Claire Williams. A corrida em Melbourne foi desmarcada na sexta-feira, pouco antes do início dos treinos, e os torcedores terão de receber o dinheiro dos ingressos de volta. A Fórmula 1 tem sido cuidadosa para anunciar as decisões de calendário e tem preferido tratar as provas como adiadas, para não ter problemas contratuais com patrocinadores e devolver a arrecadação com bilheteria.

Procurada para comentar o assunto, a Fórmula 1 não respondeu o contato do Estado. Um dos GPs com o maior risco de ser afetado ainda nesta temporada é o da Itália, em Monza. O circuito fica justamente no Norte do país, região mais afetada pela pandemia do novo coronavírus. É possível que com a remarcação de corridas adiadas o calendário seja prolongado e algumas etapas sejam marcadas para dezembro.

Para amenizar a falta de corridas de Fórmula 1 após os adiamentos causados pelo novo coronavírus, a direção vai transmitir pelas redes sociais provas de eSports feitas no F1 2019 para computador e colocar os pilotos reais para virarem os jogadores. A primeira edição dessa experiência será no domingo, quando os competidores vão disputar a corrida no Bahrein, justamente a etapa que seria realizada na mesma data pelo campeonato caso não houvesse a pandemia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.