Clive Mason/Getty Images/AFP
Com o segundo lugar no GP dos Estados Unidos em 2019, Hamilton conquistou o seu sexto título da Fórmula 1 Clive Mason/Getty Images/AFP

Fórmula 1 recomeça tendo que lidar com impasses, especulações e prejuízos

Campeonato enfim terá início no fim de semana, com várias indefinições sobre o futuro, a começar por esta temporada

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S. Paulo

29 de junho de 2020 | 05h00

Quatro meses após os testes da pré-temporada, o Mundial de Fórmula 1 enfim terá início no fim de semana. O campeonato será aberto pelo GP da Áustria, que originalmente seria apenas o 11.º do ano. A drástica mudança escancara o que foram os últimos meses para a categoria, com impasses, dúvidas e seguidas alterações no calendário.

A pandemia do novo coronavírus tornou a temporada 2020 uma das mais tumultuadas da história de 70 anos da F-1. A indefinição teve início com o cancelamento de última hora do GP da Austrália, que deveria abrir o campeonato no dia 15 de março. Os pilotos nem chegaram a participar do primeiro treino livre. Ou seja, não entram na pista desde os testes da pré-temporada em Barcelona, no fim de fevereiro.

“Isso nunca aconteceu. O nosso mundo nunca viveu da forma como está hoje. A FIA está fazendo passo a passo. Até agora confirmou só a fase europeia, enquanto está organizando as outras corridas fora da Europa”, afirma Luciano Burti, ex-piloto de F-1 e comentarista da TV Globo.

Nestes quatro meses longe do asfalto, os pilotos viram o calendário sofrer um brusco encolhimento. As 22 etapas, que seriam um recorde na F-1, se tornaram apenas oito até agora. Ficaram pelo caminho até provas tradicionais, como as de Mônaco e do Japão. O GP da Holanda precisou adiar sua reestreia.

“Eu nunca tinha visto isso desde que acompanho a F-1, desde criança. A F-1 tinha sempre aquela imagem de que não muda nunca. O que está acontecendo é exceção, como vem acontecendo com tudo no mundo”, diz Tarso Marques, brasileiro também com passagem pela categoria.

Preocupada com as indefinições, a direção da F-1 fez algo incomum ao promover rodadas duplas no mesmo circuito, tanto na Áustria (também no dia 12) quanto na Inglaterra (dias 2 e 9/08). As outras corridas confirmadas serão na Hungria (19/07), Espanha (16/08), Bélgica (30/08) e Itália (6/09). “A logística não é simples, mas as rodadas duplas facilitam essa questão”, avalia Burti.

Depois da prova italiana, o calendário é uma incógnita. Adiados, os GPs do Bahrein, Vietnã, Canadá e China ainda podem ser disputados este ano. As corridas na Rússia, EUA, México, Abu Dabi e até no Brasil continuam em aberto. E, mesmo fora da categoria nos últimos anos, circuitos conhecidos, como os de Mugello (Itália), Ímola (San Marino) e Algarve (Portugal), podem reaparecer este ano.

NO GRID

O clima de indefinição atingiu também o mercado de pilotos. O alemão Sebastian Vettel foi o protagonista ao anunciar que deixará a Ferrari no fim do ano. Ele não definiu o seu futuro, o que dá combustível para novas especulações. A mais forte delas é uma futura parceria com Lewis Hamilton na Mercedes. A saída de Vettel causou um efeito dominó. Para o seu lugar, o time italiano contratou Carlos Sainz Jr. A vaga do espanhol na McLaren será preenchida pelo australiano Daniel Ricciardo. E, para o lugar vago na Renault, Fernando Alonso passou a ser cogitado, num eventual retorno à F-1.

No mundo das equipes, a pandemia significou prejuízos, apesar da aprovação da redução do teto orçamentários dos times para 2021. Para Williams e McLaren, a medida talvez não seja suficiente para manter as contas no azul. A situação ficou tão difícil que o Grupo McLaren demitiu 1.200 funcionários e cogita vender até 30% de suas ações para levantar recursos.

Após perder seu principal patrocinador, a Williams praticamente se colocou à venda ao abrir as portas para investidores. E recebeu um empréstimo de 50 milhões de libras (R$ 325 milhões) do empresário Michael Latifi para manter as contas em dia. Ele é pai do canadense Nicholas Latifi, que estreará na F-1 pela mesma equipe.

A pandemia, na avaliação de Luciano Burti, poderá trazer aprendizados decisivos para o futuro da categoria. “A Fórmula 1 talvez terá de ver o quanto é importante uma saúde financeira para as equipes. Sem dúvida este foi um grande aprendizado”, afirmou o brasileiro. /  Colaborou Ciro Campos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Lewis Hamilton se torna um grande líder até fora da pista

Hexacampeão mundial tem feito críticas à falta de diversidade racial na principal categoria do automobilismo

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S. Paulo

29 de junho de 2020 | 05h00

Principal protagonista da Fórmula 1 nos últimos anos, Lewis Hamilton brilhou nos últimos meses, mesmo longe das pistas. Sob o estímulo do hexacampeão mundial, a cúpula da categoria até criou o programa “We Race as One” (Nós corremos como um, em português) para combater o racismo e promover a diversidade na categoria.

O programa foi lançado um dia depois de o britânico participar, disfarçado, de um protesto contra o racismo em Londres. Antes discreto diante de perguntas sobre discriminação, Hamilton abraçou a causa na esteira das manifestações geradas pela morte do americano George Floyd, um homem negro, pela polícia nos Estados Unidos.

“Ele vem se posicionando de uma forma que precisamos elogiar e respeitar. Sabe como ninguém na F- 1 sobre a questão do racismo. Ele sentiu na pele a mudança de quando era um piloto iniciante e depois que cresceu na carreira. Tem autoridade para falar sobre este assunto”, comenta Luciano Burti, ex-piloto de F-1 e comentarista da Globo.

Único piloto negro na história da categoria, Lewis Hamilton também criou uma comissão para promover a diversidade no esporte, a partir de uma parceria com a Royal Academy of Engineering.

As equipes da Fórmula 1 encamparam a ideia e passaram a exibir imagens de arco-íris nas redes sociais. A McLaren até estampou as cores no halo, a proteção instalada sobre o cockpit do carro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.