Epitácio Pessoa/Estadão
Epitácio Pessoa/Estadão

Fórmula Indy desiste de substituir prova cancelada em Brasília

De acordo com a organização do evento, falta tempo para um planejamento adequado e categoria não terá etapa substituta

Estadão Conteúdo

03 de fevereiro de 2015 | 09h26

A Fórmula Indy não vai programar outra corrida para substituir a primeira da temporada, que seria realizada em Brasília no começo de março. O anúncio da Indycar, responsável pela organização da categoria, foi realizado menos de uma semana depois do cancelamento da etapa brasileira em razão do governo do Distrito Federal considerar excessivos os gastos com a organização da prova.

"A Indycar explorou várias possibilidades em uma tentativa de encontrar uma corrida de substituição", explicou a organização em um comunicado oficial. "Por causa da falta de tempo para um planejamento adequado, e ao número limitado de opções, a categoria concluiu que não é possível organizar uma corrida substituta nesse fim de semana. A Indycar vai determinar outras oportunidades para suas equipes e pilotos nesse momento, após revisar o calendário atual de provas", concluiu.

Os promotores brasileiros da etapa da Fórmula Indy, a TV Bandeirantes, procuravam opções para substituir a corrida em Brasília, que estava marcada para ser realizada em 8 de março e abriria a temporada 2015 do campeonato. Foi aventada a possibilidade da prova ser realizada em Goiânia.

O cancelamento da etapa de Brasília foi divulgado na última quinta-feira, em comunicado publicado pela TV Bandeirantes. Sem dar maiores detalhes, a emissora afirmou que a Terracap, agência de desenvolvimento do Distrito Federal, "cancelou unilateralmente" a corrida.

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios apontou diversas irregularidades no contrato firmado entre Terracap e a TV Bandeirantes para a realização da etapa da Fórmula Indy em Brasília. No documento assinado pelos promotores de Justiça Claudio João Freire, Cesar Augusto Nardelli Costa e Fábio Macedo Nascimento afirmou-se que a realização da prova no Distrito Federal seria lesiva ao cofres públicos.

O Distrito Federal passa por grave crise financeira, com reflexos como o atraso no pagamento de salários de funcionários públicos e fornecedores. Segundo o relatório, para receber a Indy em Brasília, o governo teria de gastar cerca de R$ 312 milhões para reformar o autódromo, ante os R$ 98 milhões do valor estimado inicialmente.

O Brasil recebeu a Indy pela última vez em 2013, em um circuito de rua montado em São Paulo, em torno do sambódromo do Anhembi. O País ficou fora do calendário da competição no ano passado.

A etapa de 8 de março em Brasília marcaria a abertura da temporada, que agora terá um total de 17 provas. Com o cancelamento, a primeira corrida do ano passa a ser a de São Petersburgo, na Flórida, em 29 de março. O Brasil tem dois pilotos inscritos para a temporada 2015: Tony Kanaan, da Ganassi, e Hélio Castroneves, da Penske.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula IndyBrasíliavelocidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.