Fórmula Truck volta a Cascavel, cidade em que estreou

Já faz 11 anos que a primeira prova oficial da Fórmula Truck foi realizada, em Cascavel (PR). Neste domingo, às 14 horas, a mesma cidade sedia a prova de abertura da temporada 2007. Em mais de uma década, muita coisa mudou na categoria: regras, caminhões, locais de competição, pilotos...Um dos poucos que permaneceram na Truck foi o atual campeão, Renato Martins (Volkswagen), vencedor da corrida e campeão no ano de 1996. Neste sábado, às 15h30, será definido o grid de largada. Há 11 anos, com um Scania, Renato trabalhava como caminhoneiro de uma empresa paulista. Foi convidado pelo amigo Aurélio Batista, o promotor da Truck, para correr numa possível categoria de caminhões. "Sempre quis correr de moto, mas nunca tive recursos. Também pensei em Stock, mas não conhecia ninguém lá que pudesse me ajudar. O convite do Aurélio foi bastante interessante porque sempre gostei de velocidade, lembra o bicampeão."Em 1996, a equipe de Renato resumia-se a um chefe de equipe e quatro mecânicos. "Não dá nem para lembrar muito daquele tempo. Fazer comparações é muito difícil", diz Frank Macedo, que até hoje é o chefe da RM Competições. "Hoje, entre mecânicos, encarregados de pintura, dos pneus, do transporte dos caminhões na etapa e outros serviços, temos 26 pessoas diretamente ligadas à equipe", enumera. No staff dos patrocinadores e da montadora, outras 30 pessoas trabalham para o time de Renato. Isso sem contar a diferença nos caminhões. Em relação ao atual modelo, o de 1996 pesava seis toneladas - mais de mil quilos a mais que o atual. Com freios a tambor, para fazer uma curva em alta velocidade, era necessário reduzi-la a aproximadamente 200 metros da curva; atualmente, essa distância cai para 50 metros. "Naquele primeiro ano, uma volta era virada em 1min45. Hoje, vira-se em 1min20", compara Macedo."Apesar de ser muito mais difícil pilotar na época, tenho saudade daquele tempo, sim. No começo, éramos todos amigos. Se alguém quebrava, a gente parava para tentar arrumar uma peça para que todos pudessem continuar correndo. Hoje, apesar de haver cooperação, a Truck é muito profissional e competitiva", analisa Renato.Na categoria desde 2000, Roberval Andrade afirma que da temporada de 2006 para esta foi sua equipe que teve as maiores transformações. "O caminhão é 300 quilos mais leve - agora está com 4.520 quilos; 20 centímetros mais curto, 10 mais baixo e o motor está localizado 45 centímetros mais atrás, em comparação com o modelo antigo", explica o piloto da Scania, campeão em 2002.Segundo Roberval, foi a parte eletrônica a maior responsável pela revolução na Truck. "Foi ela quem fez evoluir e profissionalizar a categoria", aposta.Nos primeiros treinos livres desta sexta, o mais rápido foi Wellington Cirino (Mercedes), com 1min21s269, seguido de Renato Martins (1min21s686) e Vinicius Ramires (Mercedes), com 1min21s728.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.