Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Ganho anual de R$ 1 milhão e competitividade atraem estrelas para a Stock Car

Categoria consegue reunir ex-pilotos da Fórmula 1 e retém talentos graças a patrocínios e alto nível de disputa

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

10 Março 2018 | 01h00

A Stock Car abre a temporada neste sábado, em Interlagos, já contente de antemão pelo prestígio adquirido. Com a remuneração comparável a outras categorias internacionais e grid renomado, a competição estreia em 2018 a partir das 13h30 com a presença de dez pilotos com passagem pela Fórmula 1

+ Daniel Serra e João Paulo marcam a pole

+ Rubinho: 'Ganhei uma chance para renascer'

Um piloto de ponta da Stock Car chega a receber ao longo de um ano para disputar 12 etapas mais de R$ 1 milhão, valor parecido ao pago por campeonatos fora do País. A cifra se torna possível pela presença de fortes patrocinadores e pela visibilidade com a transmissão pela TV.

A "Corrida de Duplas" abre o ano com a presença dos 33 pilotos do grid acompanhados cada um por um convidado. Isso trouxe para a categoria nomes como Felipe Massa, que vai se revezar no carro com o pentacampeão Cacá Bueno. O pole position é o atual campeão, Daniel Serra.

Porém, a categoria não atrai grandes competidores apenas em ocasiões excepcionais. Pilotos como Nelsinho Piquet e Lucas di Grassi, por exemplo, passaram pela Fórmula 1 e vão conciliar a agenda da Stock Car com a disputa da Fórmula E.

"A Stock vive um bom momento comercial. Os carros são parecidos, com equipes mais profissionais. Muitos pilotos que saem da Fórmula 1 vão querer passar mais tempo no Brasil e a categoria é uma boa opção", disse Nelsinho, da Full Time.

Um dos pilotos ex-Fórmula 1 que está há mais tempo na Stock Car é Ricardo Zonta, da Shell. O paranaense disputa a categoria desde 2007 e afirma ter notado um crescimento na reputação do campeonato a partir do aumento da presença de quem passou pela F-1.

"Nos últimos quatro anos tivemos uma evolução da categoria na parte técnica, profissional e também nas regras de respeito entre os pilotos", explicou Zonta.

Se a presença de concorrentes de peso dificulta a busca pelo título, quem está na Stock garante que a disputa apertada contribui no aspecto financeiro. "Quem ganha desses caras tem chance de arrumar um bom patrocínio, maior do que se vencer uma categoria que não tem notoriedade e que seja mais fácil", explicou Rubens Barrichello.

DUAS PERGUNTAS PARA...Daniel Serra, atual campeão da Stock Car

1. A presença de pilotos ex-Fórmula 1 representa uma ameaça ao seu título?

Mostra na verdade a força da categoria. Piloto não gosta de correr em qualquer lugar, precisa ser em algo competitivo. Como tem muito equilíbrio entre os carros, todos têm chance de ganhar.

2. Para quem está começando, vale mais a pena disputar a Stock Car ou correr no exterior?

Hoje dá para viver muito bem no Brasil com a Stock. Pode ver que temos um grid bem jovem. Chegar à Fórmula 1  

está cada vez mais difícil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.