Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Gasly festeja primeiro pódio da carreira com 2º lugar: 'Melhor dia da minha vida'

Piloto francês faz grande corrida em Interlagos e se recupera do 'rebaixamento' de equipe vivido neste ano

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

17 de novembro de 2019 | 18h43

Emocionado e ainda incrédulo, o francês Pierre Gasly, da Toro Rosso, mal conseguia explicar a emoção de ter sido segundo lugar no GP do Brasil deste domingo, em Interlagos. Depois do primeiro pódio da carreira na Fórmula 1, o piloto disse que realizou um sonho de criança e comentou o quanto ficou assustado ao ver nos metros finais que poderia ter sido ultrapassado por Lewis Hamilton, da Mercedes. O vencedor da corrida foi Max Verstappen, da Red Bull.

Apesar de ter passado à frente do inglês por apenas meio carro de diferença, o segundo lugar estava mantido, já que Hamilton seria punido por causar um acidente com Alexander Albon, da Red Bull. Mesmo assim, Gasly fez de tudo para defender a posição. "Foi uma batalha imensa. Meu primeiro pódio e lutando contra o campeão do mundo. Tentei defender ao máximo e pisei fundo para o motor me ajudar. Eu consegui ver o bico do carro do Hamilton e pensei: 'Por favor, não me passe'", disse.

Gasly, de 23 anos, afirmou que havia esquecido a sensação de subir ao pódio. Desde categorias de acesso ele não conseguia o feito. "É uma sensação maluca. Eu subi ao pódio em outras categorias. A última vez havia sido em 2016, pela Fórmula 2. Estava com saudades disso. Este meu primeiro pódio foi insano, inesquecível, emocionante", afirmou o francês, que está na Fórmula 1 desde 2017.

O francês estava com os olhos cheios de lágrimas ao relembrar a carreira. "É o melhor dia da minha vida. Subir ao pódio é o sonho de todos que um dia quiseram ser pilotos da Fórmula 1. Eu sempre trabalhei duro, tentei ajudar meu time. Tivemos uma corrida forte. Quando tive essa batalha por posição no fim, achei que fosse perder. Mas foi incrível esse resultado", comentou.  

O piloto teve um ano difícil. Após começar a temporada na Red Bull, acabou "rebaixado" para o time B da escuderia após 12 etapas, a Toro Rosso, por não conquistar resultados satisfatórios. O pódio em Interlagos, no entanto, serviu como um recado do potencial do francês. "Com certeza nunca esquecerei este momento. É muito especial, principalmente por ser com a Toro Rosso", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.