Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Gil de Ferran revela que Alonso pede dicas sobre Fórmula Indy

Bicampeão do mundo procura tutor brasileiro para entender melhor o funcionamento da categoria americana

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S. Paulo

09 Novembro 2018 | 05h00

Se depender dos conselhos de Gil de Ferran, Fernando Alonso tem tudo para rumar para a Fórmula Indy em 2019. Perto de se aposentar da Fórmula 1, o piloto espanhol ainda não decidiu o seu futuro, mas não deixa de pedir informações sobre a Indy para o brasileiro que foi duas vezes campeão da categoria, em 2000 e 2001, e vencedor da tradicional 500 Milhas de Indianápolis.

"Nós conversamos muito", revela o brasileiro, que garante que não tenta influenciar o destino de Alonso, apesar de se admitir um grande fã da Indy. "Este tipo de decisão é muito pessoal. É muito duro para mim ou para qualquer pessoa dizer para ele 'você deve fazer isso ou aquilo'. Pessoalmente, eu adoro a Fórmula Indy."

Gil de Ferran afirma que vem conversando com o espanhol sobre as vantagens e também sobre as dificuldades da categoria, disputada quase totalmente nos Estados Unidos. "Ele me fez várias perguntas sobre como é o campeonato e conversamos sobre as coisas boas e as coisas não tão boas sobre a competição", diz o brasileiro, entre risos, em entrevista coletiva no paddock de Interlagos, às vésperas do GP do Brasil.

A amizade entre os dois surgiu no ano passado, quando Gil se tornou uma espécie de conselheiro de Alonso e da McLaren, quando a equipe decidiu liberar a participação do piloto nas 500 Milhas de Indianápolis.

"Eu mandei uma mensagem parabenizando a equipe pela iniciativa e me pus à disposição. Temos muitos conhecidos em comum entre eu e o Fernando. Ajudei a McLaren lá nas 500 Milhas e começamos uma relação mais estreita", afirmou o ex-piloto em entrevista exclusiva ao Estado na terça-feira.

A ajuda a Alonso acabou abrindo caminho para Gil de Ferran ser contratado como diretor esportivo da McLaren, em junho. "No começo deste ano, me pediram para aparecer mais nas corridas, ajudar o Stoffel (Vandoorne, segundo piloto da equipe) e analisar como a equipe estava funcionando, numa espécie de consultoria. E vendo o que eles poderiam melhorar. Acabei sendo escolhido para ocupar esta posição", revelou o brasileiro.

A chegada de Gil de Ferran coincide com a reta final da carreira de Alonso na F-1. O espanhol vai se despedir da categoria após disputar o GP de Abu Dabi, o último da temporada, no fim do mês. Depois disso, sua carreira é uma incógnita. O piloto já disse que está deixando todas as portas abertas para poder escolher a opção que mais agrada no ano que vem.

Mas as maiores apostas estão na Fórmula Indy. E isso porque Alonso já revelou que pretende brigar pela chamada tríplice coroa no automobilismo mundial, que compreende o GP de Mônaco de F-1, as 500 Milhas de Indianápolis e as 24 Horas de Le Mans. Destas, o piloto só não venceu a tradicional prova da Indy.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.