GP Brasil de F1 gera boas expectativas

O presidente da FOA (Formula One Management), Bernie Ecclestone, está seguro de que o GP do Brasil de 2004, no dia 24 de outubro, será o melhor de todos. O promotor da Fórmula 1, categoria que terá duas corridas novas no ano que vem - Bahrein e China -, dá importância especial à prova de Interlagos, porque foi uma das primeiras que começou a administrar."A Prefeitura de São Paulo quer o GP como um dos momentos mais importantes dos 450 anos da cidade. Para nós é uma honra participar das festividades", afirmou o dirigente.Ecclestone tem recebido constantemente informações sobre a organização da corrida de F1 em Interlagos, cujo trabalho já começou. Com o novo sistema de pontos, que começou a ser utilizado em 2003, e novas regras, a partir de 2004, o dirigente está convencido de que há grandes chances de o campeonato ser decidido no GP Brasil. "Só isso já vai garantir uma situação especial para a corrida", disse.A idéia de mudar a data do GP partiu da Secretaria Municipal de Esportes de São Paulo com dois objetivos principais: fugir do período de chuvas e dar mais tempo para as reformas habituais antes da corrida. "O público brasileiro vai ganhar, assistindo a uma corrida que deverá ser decisiva. Isso nunca ocorreu aqui. Uma corrida decisiva tem um clima muito mais elétrico", avaliou o organizador da etapa, Tamas Rohonyi, da International Promotions.Última cadeira - A pouco mais de dois meses da abertura do Mundial de 2004, a F1 está com todas suas vagas praticamente definidas. Resta apenas, em tese, a segunda vaga da equipe Jordan. Afinal, a Minardi confirmou o italiano Gianmaria Bruni e o húngaro Zsolt Baumgartner.Zsolt deverá levar US$ 8 milhões para a equipe, sendo que 50% já está assegurado pelo governo húngaro. O piloto só disputou uma prova de F1 neste ano, substituindo Ralph Firman, na Jordan, durante a corrida de Hungaroring. Mas não concluiu o percurso. A Minardi é a segunda equipe a trocar a dupla de pilotos. A primeira foi a Sauber, que dispensou Heinz-Harald Frentzen e Nick Heidfeld para contratar Giancarlo Fisichella e Felipe Massa. Este ano, a Minardi utilizou Jos Verstappen e Nicolas Kiesa. A Jordan também deverá partir para o mesmo caminho.A Jordan acertou com o alemão Nick Heidfeld, que será seu primeiro piloto em 2004. Mas aguarda um piloto que traga um bom patrocínio para ocupar a segunda vaga. As demais equipes estão fechadas.A previsão dos chefes de equipe é que 2005 será um ano de grandes mudanças, precipitadas pela ida - já oficial - de Juan-Pablo Montoya da Williams para a McLaren e da provável aposentadoria de David Coulthard.Outras equipes como a Renault e Toyota também poderão mudar pilotos em 2005. A única exceção seria a Ferrari, que até o começo da temporada de 2004, na Austrália, já poderá anunciar a renovação do contrato de Rubens Barrichello até o final de 2005. Com isso, a equipe italiana evitaria especulações e daria mais tranquilidade ao piloto brasileiro para disputar a temporada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.