GP Brasil: mudanças empolgam FIA

A pista do Autódromo de Interlagos está praticamente pronta para o Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1. Nesta terça-feira, o delegado de segurança da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Charlie Whiting, fez a primeira vistoria oficial no local e constatou que as mudanças pedidas segunda-feira, durante uma visita informal, já estão sendo providenciadas. A pintura do asfalto, última parte do trabalho, já foi iniciada."De um modo geral as condições da pista estão boas", limitou-se a dizer o delegado, que parecia estar bem mais satisfeito do que no ano passado. Tanto que preferiu percorrer a maior parte do autódromo de carro e não a pé, como tem sido costume nos últimos anos.Whiting tem redobrado os cuidados no que diz respeito às caixas de brita. Segundo o delegado, a primeira tentativa de diminuir a camada de pedras na área do Muro do Berger, assim como nas Curvas do Lago e do Laranjinha, não foi suficiente para que a mesma ficasse no nível da pista. "Vai ser necessária a retirada do excesso de brita nesses locais", explica Montagner, ressaltando que o problema é de fácil solução.Segundo o diretor de prova, Carlos Montagner, o reparo pedido por Whiting que deve demorar mais tempo para ser feito é a ampliação do guard-rail do Bico do Pato, mas a obra, que começou a ser executada nesta terça-feira, ficará pronta a tempo da inspeção oficial, prevista para a manhã de quinta-feira. As 21 novas "gaiolas" de aço, compartimentos de proteção dos comissários de pista, também foram conferidas pelo delegado de segurança e aprovadas.Em relação ao ano passado, única modificação aparente está no posicionamento de um carro do atendimento médico próximo ao posto 2 para tornar mais ágil o atendimento de possíveis vítimas de acidentes.Com isso, o pequeno trecho de terra que dá acesso ao local, que fica próximo do S do Senna foi asfaltado. Nos boxes, todas as equipes trabalham em ritmo acelerado para preparar os carros que irão disputar o Grande Prêmio pois a maioria dos pilotos deve aparecer para uma primeira conversa com os mecânicos ainda nesta quarta-feira. A escuderia que tem feito mais mistério é a Ferrari, onde os biombos distribuídos em frente aos boxes têm dificultado o trabalho dos curiosos em acompanhar a montagem dos carros de Michael Schumacher e Rubens Barrichello.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.