Nacho Doce / Reuters
Nacho Doce / Reuters

GP da Espanha de F-1 põe em xeque ambição de Verstappen, novidade na Ferrari e hegemonia de Hamilton

Vencedor das últimas cinco corridas na Catalunha, piloto da Mercedes vive momento ruim em uma temporada com disputa concentrada entre o holandês atual campeão e o monegasco Charles Leclerc

Marcos Antomil , O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2022 | 05h00

Max Verstappen não começou a temporada 2022 como imaginava. Apesar de ter um carro rápido, os abandonos nos Grandes Prêmios do Bahrein e da Austrália permitiram que o monegasco Charles Leclerc abrisse certa vantagem na ponta. Na Espanha, palco de sua primeira vitória na Fórmula 1, o atual campeão mundial quer inverter o cenário e tem como trunfo encerrar a hegemonia de Lewis Hamilton e da Mercedes no circuito de Montmeló, na Catalunha.

As duas vitórias seguidas, em Ímola e Miami, permitem ao holandês sonhar em assumir a liderança do mundial de pilotos. Com cinco corridas disputadas até aqui, Verstappen soma 85 pontos, 19 a menos do que Leclerc. Uma das combinações para que o piloto da Red Bull fique na ponta envolve uma vitória em território espanhol com o monegasco chegando, no máximo, no 8º lugar. Com 17 corridas pela frente, Verstappen sabe que a constância - acima da combinação de resultados - é capaz de dar a ele o bicampeonato.

O heptacampeão Lewis Hamilton venceu as cinco últimas corridas (2017-2021) na Espanha. Em 2016, o britânico largou na pole, mas Verstappen se deu melhor e venceu sua primeira corrida na Fórmula 1, justamente em sua estreia na Red Bull. Na última temporada, Hamilton largou na pole, mas o holandês ganhou a liderança ainda na primeira volta e abriu distância. A Mercedes teve de recorrer à estratégia para conquistar a vitória. Nas voltas finais, Hamilton foi à caça de Verstappen, tirando 23 segundos de diferença e foi o vencedor.

Em 2022, os momentos distintos de Mercedes e Red Bull levam a crer que o duelo não se repetirá. Apesar da melhora vista em Miami, Hamilton não tem um carro com potencial de lutar pelo lugar mais alto do pódio. Verstappen, entretanto, sabe que falhas de estratégias não podem se repetir. Com Leclerc como principal adversário, o holandês reconhece a importância de fazer a pole position neste sábado. Nos 31 GPs disputados em Barcelona, em 23 o ganhador saiu do primeiro lugar.

Até esta etapa da temporada, Verstappen só conquistou uma pole position (Ímola), enquanto Leclerc tem três (Bahrein, Austrália e Miami). Na Espanha, mais do que em outros circuitos, largar na frente é fator determinante. Por isso, equilíbrio entre treino classificatório e corrida é o mote da escuderia austríaca para este fim de semana. A “temporada europeia” da Fórmula 1 - que será interceptada pelo retorno do GP do Canadá no terceiro fim de semana de junho - foi amplamente favorável a Verstappen, em 2021. O holandês venceu em Mônaco, França e Áustria e só não foi o ganhador no Azerbaijão e na Inglaterra por um estouro de pneu e grave acidente em choque com Hamilton, respectivamente.

No entanto, as mudanças nos carros para 2022 não permitem cravar qual equipe levará a melhor nessas provas. Pilotos e engenheiros estão descobrindo a cada corrida novos detalhes aerodinâmicos e nuances do regulamento. Cada item é estudado minuciosamente para extrair o máximo de cada carro. A Mercedes tentou se aproveitar disso com um conceito arrojado para favorecer a pressão aerodinâmica, mas o que se tem visto é um carro com dirigibilidade comprometida e quiques no momento da frenagem, batizados como “efeito golfinho” ou porpoising, em inglês. A partir dos resultados de Montmeló, a escuderia alemã pode decidir por dar um passo atrás e seguir o padrão de outras equipes. Palco dos treinos de pré-temporada, o circuito catalão é tido como um bom local para experiências e extrair respostas que auxiliem no restante do ano.

Diante das circunstâncias, Verstappen e Leclerc são novamente apontados como os favoritos para o fim de semana. O lançamento de um novo pacote aerodinâmico aumenta a expectativa de que a Ferrari possa surpreender. Mas o holandês confia no seu carro. “Sempre há coisas que podemos fazer melhor, e acho que no momento o principal para nós é a confiabilidade. Espero que nos saiamos bem aqui, mas é claro que você tem de esperar e ver o que as outras equipes vão trazer. Veremos... Estou bem relaxado. É uma longa temporada e eu sei que tudo vai ser sobre o desenvolvimento do carro de qualquer maneira. Então, vamos passo a passo”, afirmou Verstappen.

Correndo em seu país, Carlos Sainz Jr precisa esquecer as corridas em Melbourne e Ímola e se concentrar em fazer bons treinos para tirar a desconfiança dos ferraristas, se manter no pódio e garantir pontos importantes para os italianos no mundial de construtores. A última vez que um espanhol venceu a corrida em casa foi em 2013, com Fernando Alonso, então na Ferrari e hoje na Alpine. “Acho que é a sensação de dirigir em casa, talvez você dê aquele décimo extra que você pode ter dentro de si mesmo”, declarou Sainz ao site da Fórmula 1.

Espera-se que cerca de 300 mil pessoas compareçam ao circuito de Montmeló ao longo do fim de semana. O Grande Prêmio da Espanha definirá seu pole position no sábado a partir das 11h (horário de Brasília). A largada está prevista para 10h de domingo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.