Manuel Bruque/EFE
Manuel Bruque/EFE

GP da Europa será prova de resistência

Red Bull de Vettel e McLaren de Hamilton fazem duelo de velocidade contra confiabilidade

Livio Oricchio, estadão.com.br

23 de junho de 2012 | 14h56

VALÊNCIA - Sebastian Vettel, da Red Bull, conquistou neste sábado, em Valência, a terceira pole position consecutiva no GP da Europa. O bicampeão do mundo venceu as duas edições anteriores da prova, 2010 e 2011, e pela diferença imposta ao segundo colocado no grid, ontem, Lewis Hamilton, da McLaren, 314 milésimos de segundo, enorme para o nível de competição hoje na Fórmula 1, suas chances de ganhar a oitava etapa do campeonato e reassumir a liderança do Mundial são, em princípio, elevadas.

Mas nenhuma outra equipe apresentou, em Valência, um carro com tantas novidades como a Red Bull. Adrian Newey, diretor técnico, reviu quase tudo na aerodinâmica. E hoje será a primeira vez que Vettel vai tentar terminar uma corrida com a nova versão do RB8 e em condições extremas. A temperatura deverá passar dos 32 graus. “Será difícil, é verdade que não simulamos um GP, ainda, porém estou confiante”, disse Vettel. Seu companheiro, Mark Webber, por conta dessa “juventude” do carro ontem de manhã não pôde treinar e na classificação não foi além do 19.º lugar. “Problemas hidráulicos me impediram de usar o flap móvel (DRS)”, explicou o australiano.

Se Vettel tem velocidade para as 57 voltas no traçado de 5.419 metros de Valência e a confiabilidade do equipamento é dúvida, Hamilton ficou surpreso com o segundo lugar no grid. “Considerando as dificuldades, a falta de equilíbrio que tínhamos, posso dizer que fomos além da conta.” Como o modelo MP4/27 é o que menos recebeu novos componentes desde o GP da Espanha, motivo de crítica de Hamilton, sua resistência é mais conhecida. “Pelo que vimos hoje na classificação será bem difícil para nós amanhã, esse cara (Vettel) está muito veloz.” Hamilton não considerou a necessidade de suportar as severas solicitações da prova.

Mais uma vez a Williams mostrou ter produzido um bom carro este ano. Pastor Maldonado vai largar em terceiro. O venezuelano já venceu em Barcelona. “Estou muito confiante. Os pneus serão decisivos na corrida e acreditamos tê-los compreendidos bem nessa pista. Na simulação que realizamos nosso desgaste não era excessivo.” A Pirelli distribuiu no GP da Europa pneus médios e macios. Nas etapas da GP3 e GP2 ,ontem e hoje, os pilotos no lado direito do grid, posições ímpares, ultrapassaram sem dificuldades os do lado esquerdo, pares. Maldonado pode ganhar o segundo lugar de Hamilton na largada.

Os três primeiros no grid, Vettel, Hamilton e Maldonado, têm opinião unânime sobre o que esperar da prova hoje. “A Lotus vem muito forte”, afirmou Vettel, como os demais. Romain Grosjean obteve o quarto tempo, ontem, e seu companheiro, Kimi Raikkonen, o quinto. “Eles são os que melhor se adaptam ao calor e esperamos temperaturas altas amanhã. Seus long runs (série seguida de voltas sem parar) são impressionantes”, analisou Hamilton.

Isso quer dizer, essencialmente, uma coisa: existe uma possibilidade de real de Grosjean e Raikkonen lutarem pela vitória. E se um dos dois ganhar o GP da Europa será o oitavo vencedor distinto em oito etapas. “Os pilotos da Lotus, Michael (Schumacher), Felipe (Massa) podem vencer. Fabuloso, não, um oitavo vencedor?”, questionou, em festa, Bernie Ecclestone, promotor do espetáculo. Grosjean disse: “Melhoramos nosso desempenho na definição do grid, P4 (quarto lugar) não é ruim, mas ainda temos de avançar. O desgaste dos pneus será determinante amanhã e esse é o ponto forte do E20 (modelo da Lotus)”.

Para se ter uma ideia do grau de competição da Fórmula 1 neste temporada, no Q2, segunda parte da classificação, Grosjean foi o mais rápido enquanto Massa ficou em 13.º. Diferença entre ambos: 291 milésimos de segundo. Assim, Massa larga em 13.º e Fernando Alonso, ambos da Ferrari, em 11.º. A menor diferença de Massa para Alonso este ano, 73 milésimos, não serviu para lhe garantir melhor colocação no grid. Bruno Senna, da Williams, por não conseguir usufruir toda a aderência que o pneu oferece na volta lançada na classificação ficou apenas em 14.º.

A largada do GP da Europa será às 9 horas, horário de Brasília, e a rede Globo transmite a corrida ao vivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.