GP de Mônaco vai mudar em 2003

Demorou, mas até a mais tradicional corrida da Fórmula 1, o GP de Mônaco, já está se adequando à realidade atual da competição. Nesta temporada, pela primeira vez em 60 anos a prova não coincide com o fim de semana da Ascensão de Cristo. E os problemas verificados nesta quinta-feira no improvisado autódromo foram muitos. Motivo: diferentemente das outras edições do evento, não era feriado no principado. Patrick Manuri, da organização do GP, disse que "nesta quinta-feira" não havia confirmação de nenhuma mudança no programa da corrida, mas sabe-se que muito provavelmente já em 2003 não haverá mais a folga da sexta-feira. Desde que a Fórmula 1 existe, em 1950, a definição do seu calendário obedecia à exigência dos promotores do GP de Mônaco. A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) selecionava o feriado religioso da quinta-feira da Ascensão de Cristo e o domingo seguinte para a prova e a partir daí distribuía as demais datas das 16 etapas restantes. Ocorre que este ano não haveria como dar seqüência à tradição, em razão da inviabilidade de se organizar as três provas anteriores, também com problemas de datas. A FIA corria o risco de perder os GPs de San Marino, Espanha ou Áustria. A saída foi deslocar o GP de Mônaco mais para a frente. Como conseqüência, a quinta-feira da Ascensão de Cristo ficou com o GP da Áustria este ano. "A FIA já nos garantiu, agora, que o GP de Mônaco será sempre no quarto fim de semana de maio", afirmou nesta quinta-feira Patrick Manuri. Tradição - Ao mesmo tempo que os promotores do GP de Mônaco cediam à FIA, solicitaram que a tradição de treinos livres na quinta-feira e classificação no sábado fosse mantida. Nesta sexta-feira, não há atividade de pista para a Fórmula 1, como ocorre com o evento há 60 anos. "Reconheço que a realização do treino, nesta quinta-feira, num dia útil do principado, criou transtornos para os que vivem aqui", falou Manuri. Os problemas maiores, contudo, ficaram com a Fórmula 1. O acesso à área que funciona como paddock exigiu horas dos profissionais da competição. Em aproximadamente 2 quilômetros quadrados tiveram de se acomodar as cerca de 200 mil pessoas que normalmente acompanham a corrida, embora a população local seja de apenas 25 mil habitantes, mais as 3 mil que trabalham na Fórmula 1. Boa parte das vias públicas são bloqueadas para a realização do GP. Em resumo: não se conseguia andar, nesta quinta-feira, no principado. Comentário que tomou conta do paddock, ainda que a FIA tenha evitado o assunto: a partir de 2003, o programa do GP de Mônaco será como os demais, com treinos livres na sexta-feira, classificação no sábado e corrida no domingo, pondo fim a uma das mais antigas tradições da Fórmula 1.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.