Divulgação<br>
Divulgação

GP do Brasil de F-1 gera R$ 260 milhões para São Paulo, diz SPTuris

De acordo com órgão, evento é o de maior impacto em gastos de turistas na capital e retorno é seis vezes maior do que investimento

O Estado de S. Paulo

06 de outubro de 2014 | 15h01

Daqui a um mês, os olhos do mundo do automobilismo estarão voltados para a cidade de São Paulo, que recebe o Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1, no dia 9 de novembro. Com impacto de R$ 260 milhões movimentados na economia da cidade com o turismo, de acordo com o Observatório de Turismo e Eventos, núcleo da SPTuris, existe uma expectativa por parte dos organizadores de que a edição de 2014 se caracterize em ser o evento anual que mais gera receita turística no município.

Em pesquisas realizadas pelos organizadores da prova, o Grande Prêmio do Brasil é o que rende maior audiência das temporadas. Somente em 2013, a prova foi assistida em 77 milhões de domicílios em quase 200 países. O levantamento ainda revela que a exposição da cidade, por conta da corrida em São Paulo no ano passado, rendeu a marca US$ 234,3 milhões (ou R$ 560 milhões) em mídia. Nos últimos cinco anos, o valor da exposição chega a mais de US$ 922,1 milhões (R$ 2,21 bilhões).

Para o secretário especial para Assuntos de Turismo e presidente da SPTuris (empresa municipal que administra o Autódromo de Interlagos), Wilson Poit, revelou que apesar da concorrência de outras cidades brasileiras e latino-americanas, a prefeitura de São Paulo conseguiu acordo para manter a prova na capital paulista até 2020. "O retorno direto com turismo gerado pela Fórmula 1 para a cidade é seis vezes maior do que o investimento que fazemos todo ano. E, além do retorno com os gastos dos turistas, é um evento que eleva o prestígio global de São Paulo e tem um impacto milionário em mídia positiva para a cidade, uma promoção internacional fantástica".

Em relação a tributos municipais, o turismo gerado pelo GP de Interlagos foi o grande responsável pela arrecadação de cerca R$ 22,9 milhões em ISS com o grupo 13 - Turismo, Eventos e Assemelhados - durante o mês de novembro do ano passado, caracterizando a maior arrecadação do ano em impostos relacionados ao turismo. Em novembro de 2012, o mesmo grupo obteve a também arrecadação recorde de R$ 21,7 milhões em novembro.

Além de gerar entretenimento, Poit lista as áreas que ganham lucro com a realização do evento em São Paulo. "O Grande Prêmio Brasil de F-1 é um ganho para a população e seus visitantes não apenas pela oportunidade do entretenimento e da apreciação do esporte a motor, mas também por contribuir com a maximização da ocupação hoteleira e de toda a cadeia produtiva do turismo, ou seja, restaurantes, compras, transportes, entre outros, beneficiando da economia na cidade", conclui.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.