Divulgação
Divulgação

Grid da Fórmula 1 será bem renovado em 2014

Uma geração de pilotos talentosos pede passagem e deve desembarcar na categoria

LIVIO ORICCHIO, O Estado de S. Paulo

21 de julho de 2013 | 08h07

SÃO PAULO - As 12 equipes que hoje disputam a Fórmula 1 vão estar no grid em 2014. E das 24 vagas de pilotos, apenas seis, ou 25%, já estão confirmadas. Em outras palavras, há nada menos de 18 cockpits (75%) vagos. E por isso o teste com jovens aspirantes à Fórmula 1, encerrado sexta-feira em Silverstone, ganhou grande importância.

Quem tem contrato para 2014 são os pilotos da Mercedes (Lewis Hamilton e Nico Rosberg) da McLaren (Jenson Button e Sergio Perez), o tricampeão do mundo Sebastian Vettel (Red Bull) e Fernando Alonso (Ferrari).

"Esse teste nos dá referências do que esses meninos podem fazer", explicou ao Estado o diretor esportivo da Toro Rosso, Steve Nielsen. "Os times aproveitam a oportunidade para testar vários componentes novos nos carros, mas teremos quem apenas vai cuidar de acompanhar de perto o trabalho desses jovens."

A maioria está ainda em fase inicial da preparação para um dia tentar chegar à Fórmula 1, mas dentre os que participaram do treino promovido pela Pirelli para desenvolver seus pneus, três nomes se destacam. E têm grandes chances de estar na Fórmula 1 em 2014: o dinamarquês Kevin Magnussen, 20 anos, já piloto da escola McLaren e vice-líder da Fórmula Renault 3.5, categoria similar à GP2; o português Antonio Félix da Costa, da escola Red Bull, 21 anos, terceiro da Fórmula Renault 3.5; e o holandês Robin Frijns, da escola Sauber, nono na GP2 (entrou no campeonato apenas na quinta etapa).

Dois outros talentos dessa geração que parece ser pródiga não participaram dos testes mas têm boas chances de em 2014 estrear na Fórmula 1: o brasiliense Felipe Nasr, 20 anos, vice-líder da GP2, e o belga Stoffel Vandoorne, 21 anos, líder da Fórmula Renault 3.5.

No primeiro dia de testes, quarta-feira, Magnussen estabeleceu o melhor tempo em Silverstone com o atual modelo da McLaren. "Na Fórmula 1 você nunca sabe se o seu tempo é bom ou não por desconhecer a condição em que cada equipe treinou. Mas penso ter realizado um bom trabalho", afirmou Magnussen, filho do ex-piloto Jan Magnussen.

O português Félix da Costa comentou já se sentir preparado para o desafio da Fórmula 1. Ele ficou com o terceiro tempo quarta-feira e o segundo na quinta, com o modelo de Vettel. Deve correr pela Toro Rosso em 2014.

Frijns foi campeão por onde passou: Fórmula BMW, em 2010, Fórmula Renault 2.0, em 2011, e Fórmula Renault 3.5, em 2012. Testou em Silverstone pela Sauber, nos dois primeiros dias, e ficou em sétimo nos dois. "Nesta temporada fico sabendo se vou disputar as corridas da GP2 apenas na quarta-feira, quando meu time me liga, porque não tenho patrocínio", disse ao Estado na Alemanha. "Para passar para a Fórmula 1 terá de ser uma escuderia em que não tenha de levar patrocínio."

Com 18 vagas abertas e uma profunda revisão no regulamento técnico, 2014 será um bom ano para um piloto estrear, Bernie Ecclestone, promotor do Mundial, espera que a maior parte dessa geração talentosa chegue à categoria. "Temos novos Hamiltons vindo por aí."

Tudo o que sabemos sobre:
velocidadeFórmula 1F-1F1

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.