Grupo alemão amplia controle na F-1

Os rumos do bilionário negócio em que se transformou a Fórmula 1 não está mais apenas nas mãos de Bernie Ecclestone. Sexta-feira, o grupo alemão EM.TV, que já detinha 50% da holding que gerencia a Fórmula 1, a Slec, exerceu a opção que tinha sobre outros 25%. Dessa forma, Ecclestone ficou com 25% e a EM.TV com 75%. Quem está por trás do negócio é o grupo alemão Kirch. Thomas Haffa, da EM.TV, está quebrado financeiramente, e Leo Kirch, do grupo Kirch, viu aí a oportunidade para ficar com a maior parte do que pertence a Haffa.Como o forte do grupo Kirch é a exploração de TV pelo sistema pay-per-view, o receio é que a Fórmula 1 possa vir a ser vista apenas por quem paga para ter sua imagem. As indústrias automobilísticas que investem no Mundial já estão cobrando de Ecclestone não só sua objeção ao fato de Kirch possuir a maioria da Slec como querem também participar da sociedade da holding. Nos próximos dias muitas reuniões definirão as mãos que conduzirão o futuro do Mundial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.