Reuters
Reuters

Haas sofre com problemas logísticos e perderá 1ª sessão de testes da Fórmula 1 na quinta-feira

Avião com equipamentos da escuderia americana sofre falha e só deve chegar nesta quarta-feira ao Bahrein

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2022 | 14h34

Pior equipe da temporada passada da Fórmula 1, sem ponto conquistado, a equipe Haas domina o noticiário da principal modalidade do automobilismo neste início de ano. Depois da perda de patrocínio e a demissão do piloto russo Nikita Mazepin, o time americano virou notícia porque perderá a sessão de testes da pré-temporada, na manhã desta quinta-feira.

A ausência na primeira sessão do dia se deveu a um problema logístico. O avião que contém todos os seus equipamentos sofreu uma falha mecânica e só vai chegar ao Bahrein nesta quarta-feira, véspera do início na nova bateria de testes de preparação das equipes para a temporada 2022 da F-1.

Com problemas mecânicos, a nave teve de fazer um pouso em Istambul, na Turquia, o que atrasou sua chegada no Bahrein para os testes que serão feitos de quinta a sábado. Desta forma, a Haas perderá a sessão da manhã, mas à tarde vai colocar o brasileiro Pietro Fittipaldi em ação.

A Haas rompeu contrato de patrocínio com a empresa russa Uralkali por causa dos conflitos entre Rússia e Ucrânia. A organização econômica, que fabrica fertilizantes, tem como um dos seus donos Dmitry Mazepin, pai de Nikita Mazepin, piloto russo que foi demitido. Dmitry é conhecido por ser muito próximo do presidente russo Vladimir Putin.

A Uralkali anunciou nesta semana que vai processar a Haas para tentar recuperar o investimento feito nesta temporada na equipe norte-americana. A temporada da Fórmula 1, que terá 22 corridas este ano, começa no Bahrein no próximo dia 20. O campeão do ano passado foi o holandês Max Verstappen, da Red Bull, seguido pelo inglês Lewis Hamilton, da Mercedes.P

Tudo o que sabemos sobre:
Pietro FittipaldiHaasFórmula 1

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.