Hamilton aposta no retrospecto na China para reagir no campeonato

Atual bicampeão mundial, Lewis Hamilton ainda não conseguiu exibir a mesma boa forma que levou a esses títulos no início da temporada 2016 da Fórmula 1. Tendo enfrentado problemas nas duas primeiras provas do campeonato, o inglês viu o alemão Nico Rosberg vencer as corridas na Austrália e no Bahrein e agora mira a recuperação no GP da China, para interromper a hegemonia do seu companheiro de Mercedes.

Estadão Conteúdo

11 de abril de 2016 | 12h21

Animado, Hamilton lembrou que tem ótimo retrospecto na prova em Xangai, com quatro vitórias, sendo o piloto que mais vezes subiu ao lugar mais alto do pódio. "Agora vamos para a China para a próxima batalha. É uma pista que tem sido boa para mim ao longo dos anos, com cinco poles e quatro vitórias, por isso espero que esta corrida possa ser o ponto de virada", disse.

Nas duas corridas já realizadas neste ano, Hamilton precisou realizar provas de recuperação após perder várias posições na largada. E em ambas ele conseguiu minimizar os efeitos do início ruim, terminando em segundo lugar na Austrália e em terceiro no Bahrein. Para Hamilton, esses resultados foram bons e mostram seu potencial para a sequência do campeonato, pois soube lidar com as adversidades.

"Não tem sido um bom início de temporada para mim, assim, estar nessa posição agora no campeonato é realmente muito positivo. Se você pode ter duas corridas ruins e ainda sair com dois pódios, isso é um sinal muito bom. Me recuperei do pior, isso é certo! As pessoas continuam me perguntando se estou preocupado, se há uma tendência de queda. Mas estou sentindo completamente o oposto. Não há falhas reais em nosso procedimento e como estamos trabalhando, então sei que vai vir algo bom", afirmou.

Hamilton é o vice-líder do campeonato com 33 pontos, 17 a menos do que Rosberg. O GP da China será disputado no próximo domingo, com largada prevista para as 3 horas (de Brasília).

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1GP da ChinaLewis Hamilton

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.