Mark Sciefelbein/AP
Mark Sciefelbein/AP

Hamilton celebra nova vitória, mas recebe críticas de Rosberg

Alemão critica britânico por reduzir o ritmo durante metade da prova

Estadão Conteúdo

12 de abril de 2015 | 11h41

A festa de Lewis Hamilton no GP da China não passou do pódio, na madrugada deste domingo. Após celebrar sua quarta vitória no Circuito de Xangai, o piloto da Mercedes foi constrangido pelo companheiro Nico Rosberg na entrevista coletiva pós-corrida em mais um capítulo da disputa interna na equipe.

Diante dos jornalistas, o alemão criticou Hamilton por ter reduzido o ritmo na segunda metade da tranquila prova. A queda na velocidade, na visão de Rosberg, teria o objetivo de prejudicá-lo por favorecer a aproximação de Sebastian Vettel, que terminou a corrida em terceiro lugar.

"É interessante ouvir você dizer, Lewis, que estava pensando apenas em si mesmo quando teve aquele ritmo de corrida lá na frente que, desnecessariamente, comprometeu minha corrida", reclamou Rosberg, sentado ao lado do companheiro na coletiva.

Para o alemão, o ritmo mais lento de Hamilton poderia permitir a Vettel antecipar a parada para tentar ultrapassá-lo. "Além disso, me custou muito tempo de corrida porque eu tive que cobri-lo [Vettel] e meus pneus ''morreram'' no final da prova porque minha última ''perna'' era muito maior", declarou o alemão.

Foi a forte degradação dos pneus que custou a vitória à Mercedes na etapa anterior da temporada. No GP da Malásia, Vettel soube administrar melhor os seus compostos e conseguiu superar os dois carros da Mercedes para devolver a Ferrari ao lugar mais alto do pódio.

Constrangido por Rosberg, Hamilton respondeu com um sorriso no rosto. "Não é meu trabalho cuidar da corrida do Nico. Meu trabalho é administrar meu carro e trazê-lo para casa em boas condições e em velocidade. Foi o que fiz. Eu estava focado apenas em mim. Se Nico quisesse ter me ultrapassado, poderia ter tentado, mas ele não o fez", disse o inglês.

O alemão já havia criticado Hamilton durante a corrida, via rádio. "Lewis está pilotando muito devagar, então diga a ele para acelerar", afirmara Rosberg à equipe. Naquele momento da prova, Hamilton tentava economizar o pneu macio para adiar a parada nos boxes. Ele só acelerou depois que Vettel parou nos boxes para abrir vantagem antes de fazer sua parada para colocar pneus duros.

O inglês justificou a estratégia. "Pensávamos que a disputa seria mais apertada porque conhecemos a Ferrari muito bem e sabemos que o ritmo de corrida deles é muito bom. Então prestei muita atenção nos pneus", disse o líder disparado do Mundial de Pilotos.

Apesar do clima hostil na Mercedes, o chefe Toto Wolff garantiu que seus pilotos conversaram normalmente sobre a corrida depois da entrevista coletiva. "Hamilton não tinha qualquer intenção de atrapalhar Nico para fazê-lo terminar em terceiro lugar", afirmou o dirigente da equipe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.