Mladen Antonov / AFP
Mladen Antonov / AFP

Hamilton diz que Ferrari surpreendeu e Verstappen reclama de potência da Red Bull

Equipe italiana fez mudanças aerodinâmicas no carro antes do GP de Cingapura

Redação, Estadão Conteúdo

21 de setembro de 2019 | 16h12

Nomes de destaque na temporada de 2019 da Fórmula 1, Lewis Hamilton e Max Verstappen voltaram a ser ofuscados por Charles Leclerc, neste sábado, no treino classificatório para o GP de Cingapura. O monegasco da Ferrari cravou a pole position para a prova deste domingo e desbancou Hamilton, que larga em segundo com a Mercedes. Segundo o britânico, a equipe germânica foi pega de surpresa pela escuderia italiana.

"No início do ano, eles não estavam tão próximos. Obviamente, eles fizeram um ótimo trabalho. Eu realmente não sei onde estamos perdendo, embora o primeiro setor seja um pouco ruim para nós", analisou o pentacampeão mundial.

"Parte dele é em reta, mas eles foram capazes de nos igualar no segundo e no último setor. No geral, é claramente um grande passo para eles. Mas vamos continuar pressionando. Não temos uma atualização há algum tempo. Talvez, quando acontecer, isso nos ajude um pouco", ponderou o piloto inglês.

O foco de Hamilton nas atualizações se deve às novidades aerodinâmicas introduzidas pela Ferrari em Cingapura. Um novo bico e um assoalho revisado foram instalados no SF90, o que parece ter proporcionado os ganhos que permitiram a maior competitividade do time de Maranello em Marina Bay, circuito de rua que demanda grande pressão aerodinâmica dos monopostos.

"De repente, eles trouxeram uma atualização aqui e parece ter funcionado", disse Hamilton. "Fiquei grato por ter conseguido separá-los (Leclerc e Vettel). Hoje (sábado) estávamos com falta de ritmo. Definitivamente foi difícil estar lá em cima, mas eu gosto do quão próximas as coisas ficaram entre todos nós. Espero que isso nos coloque em um bom lugar para boas lutas na corrida".

Já Verstappen se queixou da falta de potência da unidade motriz da Honda, que equipa a Red Bull. "Sempre é difícil dizer, mas eu não tive ritmo suficiente na minha classificação inteira. Não fiquei tão surpreso com o Q3, quando todo mundo usa mais potência e aí você fica devendo ainda mais", lamentou o holandês.

"Da minha parte, sinto que o carro estava bom, mas sem aderência suficiente. Eu queria andar mais rápido, mas as quatro rodas ficavam deslizando. Fico um pouco surpreso porque Monza foi positivo e esperávamos ser muito fortes aqui, mas não fomos. Estamos lentos demais", reclamou Verstappen, que larga em quarto na prova deste domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.