Steve Crisp /Reutes
Steve Crisp /Reutes

Hamilton festeja performance e é advertido por manobra

Piloto da McLaren precisa ganhar a corrida e torcer contra Alonso, Webber e Vettel para ser campeão da F-1

AE, Agência Estado

12 de novembro de 2010 | 15h47

Piloto mais rápido dos treinos livres desta sexta-feira para o GP de Abu Dabi de Fórmula 1, o inglês Lewis Hamilton festejou o bom desempenho que teve nas duas sessões do dia. Depois de fechar a primeira sessão em segundo, terminou na frente a segunda e mostrou que ainda está vivo na briga pelo título mundial. Vinte e quatro pontos atrás do líder Fernando Alonso e também com Sebastian Vettel e Mark Webber à sua frente na classificação, ele precisa vencer e torcer por provas muito ruins dos três adversários para ter chances de ser campeão no próximo domingo.

Veja também:

BLOG DO LIVIO - Tudo sobre F-1

Hamilton destacou que a sua McLaren finalmente chegou ao acerto necessário para poder brigar com os carros da Red Bull, os mais velozes até aqui na grande maioria dos treinos e provas desta temporada. O piloto inglês destacou especificamente a melhoria da asa traseira do seu carro, fato que poderá diminuir a vantagem da dupla Vettel e Webber.

"Nós estivemos esperando por algum tempo para melhorar a nossa asa traseira revisada. Não estava realmente funcionando plenamente desde a primeira vez que nós a testamos no GP de Suzuka, então não estávamos preparados para usá-la no máximo do seu rendimento. Sabíamos que ela tinha forte potencial - e tê-la finalmente funcionando corretamente é uma vantagem enorme para nós. O carro parece bom, então estou esperançoso por um bom resultado no treino de classificação", disse Hamilton, que se vê "mais perto do que nunca" do carros da Red Bull.

"De todos os finais de semana deste ano, desta vez eu sinto que nós realmente temos o pacote certo (de mudanças) para desafiar os carros mais velozes. Eu acho que nós podemos lutar pela primeira fila", afirmou Hamilton, que em seguida comentou sobre o fato de ter sido chamado pelos comissários de prova para conversar por causa de uma manobra perigosa que ele fez logo à frente do brasileiro Bruno Senna, da Hispania, no segundo treino livre.

"Minha visita aos comissários desportivos era só para explicar o que aconteceu na pista com o Bruno (Senna). Foi um grande mal-entendido: ele estava tentando começar a sua volta e eu estava tentando entrar nos boxes. Eu irei falar com o Bruno para ter certeza de que tudo está legal", ressaltou o inglês, que foi apenas advertido pelos comissários por sua manobra e não sofreu nenhuma punição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.