Laszlo Balogh/ Reuters
Laszlo Balogh/ Reuters

Hamilton lamenta 4º lugar no grid e aposta em estratégia da Mercedes para vencer

'Acho que o acerto correto dos pneus pode ajudar de uma grande maneira', revelou o piloto britânico

Estadão Conteúdo

29 de julho de 2017 | 16h38

O inglês Lewis Hamilton deixou o treino classificatório deste sábado, em Budapeste, insatisfeito com a quarta colocação no grid de largada para o GP da Hungria de Fórmula 1. A um ponto do líder Sebastian Vettel no Mundial de Pilotos, ele agora terá uma dura missão para superar o rival na briga pelo título na corrida deste domingo, marcada para começar às 9 horas (de Brasília).

O piloto da Ferrari garantiu a pole em um circuito de difícil ultrapassagem e terá ao seu lado o companheiro de equipe, Kimi Raikkonen. A Mercedes tem a terceira colocação com Valtteri Bottas e o quarto lugar com Hamilton.

"Não foi das semanas mais fáceis para a gente. O carro não estava correspondendo nos treinos livres, mas fizemos algumas mudanças para o classificatório e a sensação ficou um pouco melhor. Sabíamos que a Ferrari teria um ritmo melhor devido aos trabalhos pela manhã", comentou o inglês.

Para tentar surpreender na corrida deste domingo, Hamilton espera elaborar com sua equipe uma estratégia surpreendente. "Acho que o acerto correto dos pneus pode ajudar de uma grande maneira. A Ferrari está melhor e é um circuito que não oferece muitas oportunidades de ganhar posições. De qualquer forma, vamos dar tudo o que pudermos", finalizou.

Bottas adotou discurso semelhante ao de Hamilton. Apesar de não estar satisfeito por ter ficado atrás das Ferraris, se conformou com seu desempenho. "Não tinha mais o que fazer hoje (sábado). Agora precisamos nos concentrar na corrida. Acho que as três principais equipes (Ferrari, Mercedes e Red Bull) andarão em ritmos semelhantes. Tenho de fazer uma boa largada e também acertar na estratégia."

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Lewis Hamilton

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.