Hamilton lidera primeiro treino em Monza; Massa é o 13º

Atual segundo colocado no mundial, inglês é quase um segundo mais rápido do que Nico Rosberg, seu companheiro de equipe

Estadão Conteúdo

05 Setembro 2014 | 08h37

Em meio à guerra particular entre os pilotos da Mercedes que se tornou a temporada da Fórmula 1, o britânico Lewis Hamilton superou seu companheiro de equipe Nico Rosberg e foi o mais rápido da primeira sessão de treinos livres para o GP da Itália, que acontecerá no domingo. Nesta sexta-feira, no tradicional circuito de Monza, ele deixou para trás a surpresa da atividade, Jenson Button, que foi o segundo, e o próprio Rosberg, terceiro colocado.

Na melhor das 25 voltas que completou no circuito, Hamilton cravou o tempo de 1min26s187, o suficiente para ficar tranquilo na ponta. Button esteve pouco mais de seis décimos atrás e cravou 1min26s810. Já Rosberg veio logo na sequência, com 1min26s995.

O desempenho na atividade mostrou que Hamilton está disposto a superar seu companheiro de equipe após a polêmica ocorrida na última etapa realizada, na Bélgica. Na ocasião, logo no início da prova, Rosberg tentou ultrapassar o inglês mas acabou furando o pneu traseiro dele. O incidente piorou o ambiente na equipe e Hamilton chegou a acusar o colega de ter causado o acidente de propósito.

Único piloto que parece capaz de ameaçar a hegemonia da Mercedes na temporada, Daniel Ricciardo, da Red Bull, foi muito mal neste primeiro treino e terminou apenas em 16.º. Seu companheiro Sebastian Vettel foi o sexto, com 1min27s271. Fernando Alonso, da Ferrari, terminou em quarto, cravando 1min27s169, enquanto outra McLaren, a de Kevin Magnussen, apareceu bem em quinto, com 1min27s228.

O brasileiro Felipe Massa também decepcionou nesta primeira atividade. Em uma pista veloz como a de Monza, na qual acreditava que sua Williams poderia ter vantagem, ele completou sua melhor volta em 1min28s150, na 13.ª posição, dois milésimos atrás de seu companheiro Valtteri Bottas, que foi o 12.º.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.