Will Taylor-Medhurst/AFP Photo
Will Taylor-Medhurst/AFP Photo

Hamilton minimiza vantagem para ser campeão e garante: 'Quero vencer no México'

Piloto inglês descarta fazer uma corrida apenas para conquistar o título, que virá com um quinto lugar

Estadão Conteúdo

26 Outubro 2017 | 16h54

O britânico Lewis Hamilton está muito próximo de assegurar o tetracampeonato mundial na Fórmula 1. O feito, contudo, ainda não parece suficiente para o piloto da Mercedes. Embora necessite apenas de uma quinta colocação no GP do México neste domingo para assegurar o título da temporada de 2017, foi claro: correrá para vencer a corrida.

+ Com Hamilton perto da taça, Mercedes alerta: 'Tudo pode acontecer neste esporte'

"Eu estava pensando enquanto caminhava para cá. É verdade que só preciso terminar em quinto. Mas pensei comigo mesmo: 'como eu me sentiria se chegasse em quinto e ganhasse o título mundial?' Eu não me sentiria bem", comentou o britânico em entrevista coletiva nesta quinta-feira. "Eu quero vencer. Não estou aqui para nada além do que ser o número 1".

Depois da vitória no último final de semana, no GP dos Estados Unidos, Hamilton chegou aos 331 pontos, enquanto o vice Sebastian Vettel tem apenas 265. Para perder o título, assim, o britânico precisaria ver o alemão da Ferrari ganhar as três corridas restantes, além dele próprio somar menos de 10 pontos.

Uma vantagem que, conforme reiterou o piloto da Mercedes, pouco significa para ele. "Quero estar no topo do pódio", reforçou. "Como piloto, você constantemente quer mostrar a sua performance e a sua força e nunca quer renunciar a isso".

Confiante para o GP do México, Hamilton ponderou que terá adversários complicados pela frente. "Será difícil, eu creio. Há uma diferença pequena entre a Red Bull, a Ferrari e nós. Mas eu gosto assim. Estou esperançoso de que possa correr como na última prova".

O britânico falou ainda sobre a alegria de levar a sua bandeira ao pódio. "Fico muito, muito orgulhoso de elevar a bandeira britânica sempre que estou no pódio. E de estar lá com os grandes, agora potencialmente um passo à frente dos grandes da Grã-Bretanha".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.