Nelson Almeida / AFP
Nelson Almeida / AFP

Hamilton pode superar recordes de Schumacher, diz Jackie Stewart

Escocês tricampeão prevê sucesso de piloto da Mercedes e nega ciúmes por perder posto de britânico mais vencedor na categoria

Ciro Campos, Felipe Rosa Mendes, O Estado de S. Paulo

11 Novembro 2017 | 07h00

Desbancado por Lewis Hamilton do posto de maior campeão inglês da Fórmula 1, o ex-piloto Jackie Stewart afirmou nesta sexta-feira no Autódromo de Interlagos que o piloto da Mercedes poderá superar no futuro os recordes e as principais marcas do alemão Michael Schumacher, dono de sete títulos mundiais.

+ 'Quem me critica não sabe minha origem', diz Hamilton

+ INFOGRÁFICO - Guia da Fórmula 1 2017

"Isso é perfeitamente possível, se ele estiver com a equipe certa, no momento certo. E é o caso com a Mercedes, quase imbatível atualmente", afirmou o tricampeão da Fórmula 1. "Se ele continuar assim por mais alguns anos, ele poderá vencer mais alguns campeantos, por que não? A Mercedes tem o maior orçamento, os melhores engenheiros, muita habilidade técnica e apoio financeiro."

Para Stewart, Hamilton vem fazendo grande trajetória na categoria. "Lewis sempre tomou decisões fantásticas em sua carreira, sempre pilotando pelas melhores equipes. Foi bem com a McLaren, agora está indo bem na Mercedes", declarou.

O ex-piloto de 78 anos faturou três campeonatos, em 1969, 1971 e 1973. E era o maior campeão inglês da F-1 até Hamilton se sagrar tetracampeão neste ano, de forma antecipada, no GP do México, há duas semanas. Mas o tricampeão diz não se incomodar com a perda do status simbólico.

"Eu detive essa marca por 44 anos. Eu até tinha esquecido disso. Quando o Alain Prost me superou no número de títulos, nós tomamos uma taça de champagne juntos. E eu não vi nenhum problema nisso. Recordes foram feitos para serem quebrados", minimizou o inglês, referindo-se ao francês tetracampeão.

Questionado sobre a possibilidade de repetir o brinde, desta vez com Hamilton, ele desconversou. "Não acho que terei a oportunidade de tomar uma taça de champagne com ele também", afirmou, entre risos.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.