Max Rossi/ Reuters
Max Rossi/ Reuters

Hamilton reclama e Mercedes admite problemas em carro na Malásia

Líder do campeonato, o inglês foi apenas o sexto colocado nos dois treinos livres desta sexta-feira

Estadão Conteúdo

29 de setembro de 2017 | 16h30

Sem passar da sexta colocação nos treinos livres desta sexta-feira, a Mercedes admitiu ter problemas em seus carros nas primeiras atividades do GP da Malásia de Fórmula 1. Líder do campeonato, o inglês Lewis Hamilton foi apenas o sexto colocado nas duas sessões, enquanto o finlandês Valtteri Bottas foi o sétimo mais veloz em ambos os treinos.

+ Atrás de Grosjean em acidente, Massa lembra drama de 2009: 'Agora tive sorte'

"Foi um dia muito difícil. Tive dificuldades com o carro o dia inteiro. Então, teremos que dar uma boa revisada para tentar entender o que houve de errado com o equilíbrio do carro. Espero que consigamos desvendar isso durante a noite para estarmos em melhores condições amanhã [sábado]", disse Hamilton.

Os problemas foram compartilhados por Bottas. "Obviamente tivemos um dia de treino complicado. Não pudemos acumular boa quilometragem pela manhã por causa da chuva. E, no segundo treino, escapei da pista. E depois tivemos uma bandeira vermelha, que acabou encerrando o treino", declarou o finlandês, referindo-se ao incidente do francês Romain Grosjean.

O piloto da equipe Haas passou por cima da grade de um bueiro, na zebra, e estourou um dos pneus. Na sequência, rodou na pista e acabou na caixa de brita. Por precaução, os comissários de prova decidiram encerrar de forma precoce o segundo treino livre no circuito de Sepang.

Ao fim da atividade, o chefe da Mercedes, Toto Wolff, admitiu que a Mercedes não se encontrou ainda na Malásia. Um problema "fundamental", segundo Wolff, atrapalhou o equilíbrio do carro. Além disso, afetou a aderência do monoposto na pista.

Tudo o que sabemos sobre:
Lewis Hamilton

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.