Darko Vojinovic/EFE
Darko Vojinovic/EFE

Hamilton reconhece superioridade da Red Bull e cobra evolução da equipe Mercedes

'Precisamos encontrar algum desempenho, algum tipo de atualização, acelerar mais', analisa o heptacampeão

Redação, Estadão Conteúdo

27 de junho de 2021 | 13h36

Três corridas ruins, sem vitórias, e o inglês Lewis Hamilton já não consegue mais esconder o seu desânimo. A preocupação é grande com a queda de rendimento da Mercedes e a consequente evolução da Red Bull Racing, de Max Verstappen. Ciente que se não ocorrerem mudanças em seu carro dificilmente conseguirá brigar pelo título, o heptacampeão cobra atitudes da equipe.

Com o triunfo do holandês neste domingo, no GP da Estíria, Hamilton agora tem 18 pontos de desvantagem para Verstappen. Ao deixar o cockpit após a prova na Áustria, ele saiu avaliando o carro em busca de algum ajuste. Em momento algum ele conseguiu acompanhar o rival em Spielberg.

"Precisamos encontrar algum desempenho, algum tipo de atualização, acelerar mais. Não sei onde, se é apenas a asa traseira ou a atualização do motor. Mas seja o que for, temos de encontrar alguma melhora", afirmou um desanimado heptacampeão.

Hamilton sabe que apenas no braço não conseguirá superar o arrojado piloto da Red Bull. A situação é tão ruim que ele torcia para chover em Spielberg. "Corri sozinho, na verdade. Estava tentando acompanhar esses caras, mas a velocidade que eles têm...", lamentou "Fizeram grandes melhorias nas últimas duas corridas e são impossíveis de acompanhar. Não sei onde estamos perdendo tanto tempo."

A todo momento Hamilton perguntava qual a diferença em relação a Verstappen. E ficava indignado com aumento a cada volta na reta final da corrida. "O ritmo deles a longo prazo parece ser um pouco melhor, eles parecem ser capaz de continuar virando rápido e, obviamente, estamos perdendo muito nas retas", avaliou. "Mesmo assim, conquistamos bons pontos e temos que continuar pressionando."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.