John Thys/AFP
John Thys/AFP

Hamilton se diz satisfeito com 2º lugar na Bélgica após fim de semana "vacilante"

Inglês lidera o Mundial de Pilotos com 268 pontos, 65 à frente do companheiro de equipe, Valtteri Bottas

Redação, Estadão Conteúdo

01 de setembro de 2019 | 16h37

Segundo colocado no GP da Bélgica deste domingo, o inglês Lewis Hamilton se disse satisfeito com seu desempenho em um fim de semana complicado no circuito em Spa-Francorchamps e parabenizou o monegasco Charles Leclerc, da Ferrari, por sua primeira vitória na Fórmula 1.

"No geral, foi um fim de semana vacilante, mas estou feliz com o qualificatório, que foi sólido; e com a corrida também", opinou o britânico, que subiu ao lugar mais alto do pódio neste ano em oito das 13 provas e lidera o Mundial de Pilotos com 268 pontos, 65 à frente de seu companheiro de equipe, o finlandês Valtteri Bottas, que chegou em terceiro neste domingo.

"Pilotei com Anthoine (Hubert, piloto francês morto no último sábado, em acidente pela Fórmula 2) em meus pensamentos", acrescentou, antes de comentar sobre o triunfo de Leclerc. "Me alegro por Charles, que fez um trabalho fantástico durante todo o fim de semana, então não há como não felicitá-lo", disse.

Para o pentacampeão mundial, embora a vitória da equipe adversária tenha sido absolutamente justa, ainda há muito a se comemorar nos boxes da Mercedes. "Sempre se quer ganhar, mas dei absolutamente tudo o que tinha. A Ferrari esteve muito forte, mas para nós ter estado tão perto ao final significa que há muitas coisas positivas às quais se agarrar".

Bottas concordou com seu colega de escuderia. "O ritmo de corrida pareceu OK, de acordo com o que esperávamos, mas a Ferrari estava na frente desde o começo, além de ser muito forte nas retas", admitiu.

As Mercedes voltam a lutar pela manutenção de seu domínio na temporada no GP da Itália, no tradicional circuito de Monza, que ocorre no próximo domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.