Luca Bruno/AP
Luca Bruno/AP

Hamilton supera Bottas, vence corrida caótica na Toscana e conquista 90º triunfo

Britânico larga mal, mas recupera o primeiro lugar após a primeira relargada e mantém a ponta até o final

Ricardo Magatti, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2020 | 13h20

Na corrida mais caótica da atual temporada da Fórmula 1, com duas bandeiras vermelhas provocadas por acidentes, três largadas e oito abandonos, Lewis Hamilton se manteve fora dos tumultos e venceu o GP da Toscana neste domingo. O britânico largou mal, mas recuperou o primeiro lugar após a primeira relargada e manteve a ponta até o final.

O hexacampeão mundial obteve o seu 90º triunfo na Fórmula 1 e ficou a uma vitória de igualar o recorde do alemão Michael Schumacher. O líder do Mundial de Pilotos ampliou sua soberania na temporada ao ganhar a sexta corrida em nove disputadas em 2020. "Foi cansativo. Como se fossem três corridas em um dia", resumiu Hamilton. "É muito doido estar aqui e ter 90 vitórias", acrescentou.

Valtteri Bottas, que assumiu o primeiro posto na largada, marcada pelo caos na segunda curva, perdeu a posição posteriormente e viu Hamilton disparar. Depois, na terceira largada, o finlandês vacilou e foi ultrapassado pelo australiano Daniel Ricciardo, da Renault. No entanto, o piloto da Mercedes recuperou a vice-liderança na volta seguinte.

No final, Bottas conseguiu reduzir a vantagem do companheiro de Mercedes na briga pela liderança, mas não o suficiente para vencer. O tailandês Alexander Albon, da Red Bull, cruzou a linha de chegada em terceiro e obteve seu primeiro pódio na categoria.

O resultado foi diretamente influenciado por uma série de incidentes no circuito de Mugello. O primeiro deles envolveu Max Verstappen, que teve um problema de potência logo na saída, foi tocado na curva 2 e deixou a prova. Vencedor em Monza, o francês Pierre Gasly, da AlphaTauri, também abandonou no começo.

Na primeira relargada, após a qual Hamilton recuperou a ponta, houve novo acidente, que provocou os abandonos de Kevin Magnussen, Nicholas Latifi, Carlos Sainz Jr., Antonio Giovinazzi e Esteban Ocon, e forçou a primeira bandeira vermelha.

Mais tarde, o canadense Lance Stroll bateu forte após um problema em sua Racing Point. Com as barreiras de proteção destruídas, a corrida foi interrompida pela segunda vez. Na nova largada, Hamilton se manteve tranquilo em primeiro. Bottas perdeu terreno, mas reassumiu a vice-liderança logo na primeira curva.

Daniel Ricciardo acabou finalizando na quarta colocação, à frente do mexicano Sérgio Perez, da Racing Point. O jovem britânico Lando Norris, da McLaren, foi o sexto, e o russo Daniil Kvyat, da AlphaTauri, fechou em sétimo.

Em sua milésima corrida na história da Fórmula 1, a Ferrari conseguiu um resultado melhor em relação às provas anteriores. Em Mugello, sua casa, circuito que recebeu um GP pela primeira vez na categoria, a escuderia italiana viu o monegasco Charles Leclerc terminar na oitava colocação e o alemão Sebastian Vettel em décimo. Entre eles ficou o finlandês Kimi Raikkonen. O piloto da Alfa Romeo cruzou a linha de chegada em oitavo, mas foi punido com a perda de uma posição por uma irregularidade ao entrar nos boxes, e caiu para o nono lugar.

A Fórmula 1 dá uma pausa e retorna daqui a duas semanas, para o GP da Rússia, no circuito de Sochi. Será a décima etapa da temporada de 2020 da Fórmula 1.

Confira a classificação do GP da Toscana:

1°) Lewis Hamilton (ING/Mercedes), em 2h19min35s060

2º) Valtteri Bottas (FIN/Mercedes), a 4s880

3º) Alexander Albon (TAI/Red Bull), a 8s064

4º) Daniel Ricciardo (AUS/Renault), a 10s417

5º) Sergio Perez (MEX/Racing Point), a 15s650

6º) Lando Norris (ING/McLaren), a 18s883

7º) Daniil Kvyat (RUS/AlphaTauri), a 21s756

8º) Charles Leclerc (ALE/Ferrari), a 28s345

9º) Kimi Raikkonen (FIN/Alfa Romeo), a 29s770

10º) Sebastian Vettel (ALE/Ferrari), a 29s983

11º) George Russel (ING/Williams), a 32s404

12º) Romain Grosjean (FRA/Haas), a 42s036

Abandonaram a prova:

Nicholas Latifi (CAN/Williams)

Carlos Sainz Jr. (ESP/McLaren)

Pierre Gasly (FRA/AlphaTauri)

Antonio Giovinazzi (ITA/Alfa Romeo)

Max Verstappen (HOL/Red Bull)

Kevin Magnussen (DIN/Haas)

Esteban Ocon (FRA/Renault),

Lance Stroll (CAN/Racing Point)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.