Ahmed Jadallah/Reuters
Ahmed Jadallah/Reuters

Hamilton valoriza 3ª posição após largar do nono lugar no GP do Bahrein

Piloto britânico foi prejudicado nos treinos por conta de uma troca de câmbio de sua Mercedes, no sábado

Estadão Conteúdo

08 de abril de 2018 | 18h06

Enquanto o finlandês Valtteri Bottas admitiu decepção com um segundo lugar obtido depois de ter brigado diretamente pela vitória com Sebastian Vettel, da Ferrari, no final da prova deste domingo, o inglês Lewis Hamilton, o seu companheiro de Mercedes, procurou valorizar a terceira posição do pódio de um GP do Bahrein no qual ele largou da nona posição, fato propiciado por uma troca de câmbio de sua Mercedes, no sábado, que rendeu uma punição de cinco colocações no grid.

+ Leia mais notícias sobre a Fórmula 1

+ Vettel segura Bottas e vence no Bahrein em GP marcado por acidente com mecânico

+ Vettel diz que mentiu pelo rádio à Ferrari e festeja triunfo obtido no sufoco

"Não estou com raiva. Estou feliz. Largar em nono e chegar em terceiro está longe de ser ruim", ressaltou o tetracampeão mundial, que ainda não venceu uma prova nesta temporada, que conta com dois triunfos do alemão da Ferrari em duas corridas - a outra foi na Austrália.

Hamilton ressaltou que as circunstâncias adversas o fizeram se conformar em "diminuir o prejuízo" conquistando posições aos poucos. E o britânico fez questão de elogiar as boas corridas dos pilotos que terminaram à frente dele. "Parabéns ao Sebastian e ao Valtteri, que fizeram um trabalho excepcional no fim de semana", enfatizou.

E Hamilton teve um final de semana realmente complicado, pois, além da punição pela troca do câmbio do seu carro, enfrentou problemas para se comunicar com os mecânicos da Mercedes durante a prova porque a comunicação via rádio estava com qualidade ruim e ele ficou sem saber qual seria a melhor estratégia a tomar em alguns momentos.

"Teve alguns momentos frustrantes na corrida em que eles (mecânicos) não conseguiam me ouvir, então precisava escolher momentos em particular para falar. Fica muito difícil quando você está tentando alcançar Sebastian, que está 25 segundos na frente, e você quer saber exatamente o que precisa fazer para não acabar com os pneus, mas ao mesmo tempo tentar caçar até o fim. Fica frustrante quando você não consegue o feedback", lamentou o britânico, que está na vice-liderança do Mundial de F-1, com 33 pontos, 17 atrás de Vettel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.