Hamilton vibra ao igualar tri do ídolo Senna: 'É o melhor momento da minha vida'

Lewis Hamilton venceu o GP dos Estados Unidos neste domingo e conquistou o tricampeonato mundial de Fórmula 1. O feito fez com que ele igualasse seu ídolo da infância, o brasileiro Ayrton Senna.

Estadão Conteúdo

25 de outubro de 2015 | 21h41

Logo após cruzar a linha de chegada e receber a confirmação da conquista, ele disse no rádio para sua equipe: "É o melhor momento da minha vida". Hamilton é o primeiro piloto inglês a ser três vezes campeão do mundo da F1.

"Estou em êxtase", comemorou o britânico, que para garantir o título antecipado precisava terminar nove pontos à frente do alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, e somar dois pontos a mais do que o companheiro de equipe, Nico Rosberg.

Por conta da combinação de resultados e da prova cheia de imprevistos, Hamilton comentou que "em muitos momentos pensou que havia perdido a corrida". No entanto, ele contou com um erro infantil de Rosberg, que perdeu o controle do carro quando estava na liderança, para assumir a primeira colocação e confirmar o título.

Hamilton recebeu das mãos do popstar Elton John a taça e a tradicional champanhe. Nas primeiras declarações como tricampeão, fez questão de exaltar os feitos de seu pai, que batalhou muito para que o filho chegasse à Fórmula 1. "Não sou o único que conseguiu grandes feitos na minha família. Meu pai saiu do nada e trabalhou muito para que seus filhos tivessem uma vida muito melhor do que a dele", disse o primeiro piloto negro a ser campeão na história da categoria.

Ao ser perguntado sobre o desejo de igualar o recorde do alemão Michael Schumacher, que tem sete títulos mundiais, o inglês disse que este deve ser o objetivo de Sebastian Vettel, que é tetracampeão. "Minha meta era igualar o Ayrton (Senna). Não sei quem mais vai chegar ao hepta. Não tenho mais nada o que igualar, mas seguirei meu caminho adiante", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.