Hegemonia da Red Bull não deverá mudar na Fórmula 1

Ferrari, Mercedes e Lotus vão, agora, se concentrar nos carros de 2014

LIVIO ORICCHIO, ENVIADO ESPECIAL - O Estado de S. Paulo

22 de setembro de 2013 | 19h10

CINGAPURA - Vale a pena voltarmos um pouco no tempo, até a temporada de 2008. A equipe Red Bull competia com Mark Webber e David Coulthard. O diretor técnico, Adrian Newey, foi o responsável pelo modelo RB4 equipado como motor Renault, assim como já havia coordenado o carro anterior da escuderia, o RB3-Renault, de 2007. Naquele ano, 2008, Lewis Hamilton, da McLaren, foi campeão, com 98 pontos, seguido por Felipe Massa, da Ferrari, com 97. O piloto da Red Bull mais bem colocado acabou sendo Mark Webber, 11.º, com 21 pontos. Entre os construtores, a Ferrari ficou com o título, com 172 pontos, e a McLaren, com o vice, 151. A Red Bull obteve o distante sétimo lugar, com 29 pontos.

Na temporada seguinte, 2009, tudo mudou. David Coulthard foi substituído por Sebastian Vettel. E o jovem alemão disputou o título até a última etapa, no GP do Brasil. Perdeu para Jenson Button, da extinta Brawn GP (atual Mercedes), 95 a 84. E a Red Bull terminou na segunda colocação, com 153,5 pontos, ao passo que a campeã, Brawn GP, fez 172.

O que ocorreu para a Red Bull ser protagonista de um instante para o outro na Fórmula 1? E provavelmente não ter conquistado o campeonato porque a Brawn GP desfrutava de um recurso aerodinâmico ilegal, o duplo difusor, autorizado pelo presidente da FIA, Max Mosley, por interesses políticos. A Red Bull foi obrigado a adaptar o RB5-Renault de 2009 ao uso do duplo difusor enquanto a Brawn GP concebeu seu monoposto, BGP001-Mercedes, para explorar o conceito.

Resposta: a mudança importante do regulamento técnico em 2009. Essencialmente, visava fazer o carro reduzir em 40% sua capacidade de gerar pressão aerodinâmica. “Trabalhávamos já há cerca de dez anos nos estudos dos mesmos desafios técnicos”, disse Newey. “A partir de 2009 tivemos a oportunidade de repensar tudo o que fazíamos. É o tipo de desafio que mais aprecio.”

CENÁRIO SEMELHANTE

E o que irá acontecer em 2014? Nova mudança drástica do regulamento técnico. É nessas horas que a critividade de Newey melhor se manifesta. E a maturidade atingida pelo engenheiro aeronáutico inglês reduziu bastante a possibilidade de um projeto equivocado, como o que fez para a McLaren, em 2003, o modelo MP4/18-Mercedes. O carro nunca chegou a disputar um GP. A organização de Ron Dennis teve de rever o monoposto do ano anterior para seus pilotos, Kimi Raikkonen e David Coulthard, disputarem o campeonato.

Escrevo tudo isso para dizer que se a vitória de Sebastian Vettel, da Red Bull, neste domingo no GP de Cingapura, impressionou pela facilidade com que foi obtida, a histórico de Newey, quando as regras experimentam alterações importantes, pode fazer com que as corridas, em 2014, se assemelhem bastante à do circuito Marina Bay. Na 31.ª volta, Vettel cruzou a linha de chegada com uma vantagem de 1 segundo e 16 milésimos para Nico Rosberg, da Mercedes, então o segundo colocado. O safety car acabara de deixar a pista.

Na 40.ª volta, ou seja, nove depois da relargada, uma antes de Rosberg fazer sua segunda parada, a vantagem de Vettel atingiu 22 segundos e 104 milésimos. Isso quer dizer que abriu, em nove voltas, 21 segundos e 88 milésimos (22 segundos e 104 milésimos menos 1 segundo e 16 milésimos). Nesse segmento da prova, portanto, Vettel obteve uma diferença média de 2,3 segundos por volta. É impensável na Fórmula 1!

E se havia alguma dúvida na cabeça de James Allisson, da Ferrari, Ross Brawn, Mercedes, e Nick Chester, substituto de Allison na Lotus, quanto ao que poderiam conquistar este ano, neste domingo foi dirimida por completo. Será preciso uma combinação de fatores bastante rara para Vettel e a Red Bull não serem campeões este ano.

ESQUECER 2013

Em outras palavras, o melhor a fazer é gastar as 40 horas permitidas de estudos no túnel de vento com o modelo de 2014. Esquecer o campeonato em curso. Manter o grupo trabalhando nos monopostos atuais muito provavelmente não levaria o time a nada.

Com o carro que tem, capaz de fazer Vettel manter-se invicto nas três últimas etapas, Bélgica, Itália e Cingapura, ou seja, estabeleceu as três pole positions e venceu as três corridas, e a desistência de os adversários melhorarem seus monopostos daqui para a frente, a tendência é no mínimo as coisas permanecerem como estão: a Red Bull muito à frente.

Hoje a diferença de Vettel para Alonso, segundo na classificação, é de 60 pontos (247 a 187). Restam seis etapas para o encerramento da temporada. Se, por exemplo, depois do GP da Índia, dia 27 de outubro, o 16.º do calendário, Vettel abrir uma diferença de 75 pontos para o segundo colocado irá celebrar o tetracampeonato. Sim, porque depois restarão somente as etapas de Abu Dabi, Austin e Interlagos.

Vettel pode ser campeão nas próximas duas corridas, Coreia, 14.ª do ano, daqui a duas semanas, ou Japão, dia 13 de outubro? Na Coreia matematicamente não é possível. Depois teremos, ainda, mais cinco provas ou 125 pontos (25 x 5) em jogo. Mesmo que Vettel vença e Alonso não faça pontos, chegaria no máximo a 85 (60 + 25).

Já no GP do Japão não é impossível, ainda que pouco provável. Como depois o campeonato teria mais quatro corridas, ou 100 pontos em jogo, Vettel teria de ampliar na Coreia e no Japão a atual diferença de 60 para 100 pontos. Necessitaria de uma vitória e uma terceira colocação (25 + 15), que lhe daria os 40 pontos. E ainda torcer para Alonso, se ele for ainda o vice-líder, não somar ponto algum.

ÍNDIA, LOCAL PROVÁVEL DO TETRA

É por isso que faz mais sentido acreditarmos que Vettel possa comemorar o quarto título seguido no GP da Índia. O histórico de seu avanço depois das férias da Fórmula 1, em agosto, invicto, ganhou tudo, sugere ser bem possível aumentar a atual diferença de 60 para 75 pontos para o segundo colocado até lá, tendo ainda duas corridas no meio do caminho, Coreia e Japão, para ajudá-lo.

Quem gosta de assistir a belos pegas na Fórmula 1 deve torcer para que o modelo de 2014 que Newey está produzindo para a Red Bull não tenha a mesma maior eficiência que todos os seus carros desde 2010. Já são quatro anos que a impecável organização e o supertalentoso Vettel dominam a competição.

Mas antes de chegar em 2014, a hora que Vettel bater o martelo e definir, este ano, a conquista de mais um título deixará no ar também o delicioso sabor da justiça: os melhores de novo foram campeões. Nada é mesmo ao acaso na Fórmula 1. Mas, o resultado de planejamento, trabalho, investimento e, basicamente, muita competência. Ingredientes que sobram na Red Bull.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.