Helinho não quer correr ?às cegas? na IRL

Helinho Castro Neves ganhou sua primeira corrida do ano, domingo, em Madison, sem o auxílio do computador de bordo. Dessa forma, ele fez uma corrida ?cega?, sem saber as marchas, sem controle de tração, sem o indicador de limite de velocidade, sem marcador de combustível, sem o controle de barras estabilizadoras. "Se eu fosse perder tempo para dar um ?boot? no computador ia perder tempo. Então encarei a situação e me dei bem". Domingo, a Indy Racing League terá sua 12ª etapa no trioval do Kentucky Speedway. O que Helinho não quer é fazer outra prova igual.A Penske conseguiu minimizar o problema, levando em conta o desempenho de Gil de Ferran como referência para o consumo de combustível. Mas como os pilotos têm estilos diferentes, há sempre uma margem de erro. No fim da prova, a equipe constatou que o tanque ainda continha 20 litros de metanol. "A sensação é péssima. Você não sabe o que está ocorrendo. No final, com medo de que o combustível acabasse, eu comecei a economizá-lo, deixando a mistura mais pobre. Mas é um risco. O Tony Kanaan poderia me alcançar. E eu estava precisando dessa vitória", diz.A última vitória de Helinho tinha sido em Indianápolis, no ano passado. "Eu estava sempre chegando perto mas não ganhava. Isso já estava me dando uma certa angústia. Agora estou bem outra vez", disse nesta terça-feira. Com a vitória, Helinho passou do quarto para o terceiro lugar, a apenas 10 pontos do líder Tony Kanaan e a três do vice-líder, Gil de Ferran. "Estamos na briga pelo título. Agora eu já posso me considerar um concorrente. Mas estou seguro de que será como sempre tem sido. Somos amigos e leais um com os outros na pista. Que ninguém fique esperando que um poderá tirar o outro da pista porque isso não vai acontecer".Hora da verdade - Helinho acha difícil fazer previsões a cinco corridas do final do campeonato. Ele admite que os motores Toyota estão em melhor situação. Foram 9 vitórias contra apenas 2 da Honda e nenhuma da Chevy. "A Penske está em boa situação para vencer o campeonato. Mas eu já trabalhei com a Honda e sei que ela não vai assistir parada à vitória da Toyota. E o Tony está andando muito bem. Portanto, a equipe Andretti Green é uma das favoritas".O piloto, entretanto, alerta: "Agora ninguém pode deixar de pontuar. Quem não marcar pontos em uma das provas, nesta fase, ficará meio afastado da disputa".Para a corrida de domingo no oval de Kentucky, de 1,5 milha (2,41 km), Helinho diz que no teste coletivo as equipes Andretti Green e Penske andaram no mesmo ritmo. "Vai ser equilibrada. Estou seguro disso".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.