Honda e Ford podem deixar a Indy

A decisão da Cart de banir os motores turbo e adotar os aspirados na F-Indy a partir de 2003 não resultou, até agora, na paz que os dirigentes esperavam. Ao contrário, a crise aumenta a cada dia. Na quarta-feira, eram fortes os comentários de que a Honda e a Ford anunciarão nos próximos dias que irão se retirar da categoria ao final da próxima temporada. Os responsáveis pelo programa de desenvolvimento de motores das duas montadoras adotaram o silêncio em relação ao assunto. Mas da última vez que se manisfetaram, no último de fim de semana, mostraram-se revoltados com a adoção dos aspirados. O diretor de Desenvolvimento e Performance da Honda, Robert Clark, inclusive, chegou a dizer que a empresa sentia-se "traída?? pela Cart. O anúncio da opção pelos motores aspirados foi feito na sexta-feira. A repercussão foi tão negativa que, desde então, os dirigentes da Cart têm feito seguidos contatos com as montadoras - inclusive a Toyota, que já havia decidido construir somente este tipo de propulsor a partir de 2003 - para tentar segurá-las na categoria. Aparentemente não tem obtido sucesso. A Honda é a mais inclinada a deixar a Indy. O que se questiona é se faria o anúncio nesta semana, a do GP de Laguna Seca, pois a empresa é a principal patrocinadora da prova. Quanto à Ford, nos bastidores da categoria comenta-se que o anúncio da retirada será feito até sexta-feira. Enquanto luta para manter os fornecedores de motores, a Cart tenta se acertar em outra área em que tem mostrado bastante deficiência: marketing e publicidade. A entidade acaba de fechar contrato com a Arnold Worldwide que, a partir de 2002, será responsável pelos projetos da Indy nesta área.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.