Honda nega que tenha prazo para vender equipe na F-1

Escuderia, que encerrou atividades na categoria em dezembro, aguarda um comprador para disputar o Mundial

Agencia Estado

27 de janeiro de 2009 | 15h40

À procura de um comprador para continuar na Fórmula 1, a direção da equipe Honda negou nesta terça-feira que exista um prazo para a venda da escuderia. A montadora japonesa anunciou em dezembro o fim de suas atividades no Mundial, mas deixou a estrutura na mão dos diretores para que, com um possível comprador, os funcionários não perdessem seus empregos.Nas últimas semanas, surgiram especulações de que a montadora teria dado um prazo até o fim deste mês para a concretização da venda. A informação foi negada pela assessoria da equipe. "Não deem atenção a qualquer boato que envolva prazos ou datas-limite. Estamos otimistas, mas não poderemos comentar sobre isso por um tempo", disse uma porta-voz da equipe.Desde o anúncio da saída da Honda, em 5 de dezembro, vários boatos sobre o futuro da escuderia surgiram e desapareceram. As principais especulações envolveram os nomes de David Richards, ex-sócio da BAR, e do bilionário mexicano Carlos Slim. Ambos negaram a intenção de compra.No início do ano, Nick Fry, diretor da equipe, disse que havia 12 interessados com propostas sérias para a aquisição da estrutura da Honda, mas desde então não surgiram novidades sobre o caso. A temporada da Fórmula 1 começa com o GP da Austrália, no dia 29 de março, em Melbourne. Os treinos livres para a prova terão início no dia 27, daqui a exatos dois meses.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1HondaNick Fry

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.