Sebastien Nogier/AP
Sebastien Nogier/AP

Impedido de correr em Mônaco, Leclerc diz que voltar à realidade é o que mais dói

Piloto da Ferrari analisa que dificilmente surgirá uma nova oportunidade tão clara de brigar pelas primeiras colocações nas próximas corridas

Redação, Estadão Conteúdo

23 de maio de 2021 | 15h00

Impedido de disputar o GP de Mônaco da Fórmula 1 deste domingo, em razão de um problema mecânico em sua Ferrari, Charles Leclerc teve muito a lamentar. Além de ter desperdiçado a pole position conquistada no dia anterior, o piloto monegasco manteve a sina de nunca terminar uma prova na terra natal e perdeu uma grande chance de fazer o primeiro pódio da temporada. O que mais lamentou é que dificilmente surgirá uma nova oportunidade tão clara de brigar pelas primeiras colocações nas próximas corridas.

"Gostei muito de voltar a lutar pelas primeiras posições. Por outro lado, todos sabemos que é um caso isolado. O carro estava muito bom nesta pista, mas a partir da próxima corrida vamos voltar à realidade. Infelizmente, não vamos lutar por estas posições de novo, por isso dói um pouco mais do que o normal, mas é assim", afirmou o piloto ao fim da prova, vencida por Max Verstappen, da Red Bull, seguido por Carlos Sainz Jr., da Ferrari, e Lando Norris, da McLaren.

Leclerc garantiu a pole com um tempo de 1m10s346 durante a disputa do Q3, no sábado, e bateu nos segundos finais, por isso o treino classificatório foi encerrado com bandeira vermelha. A batida deixou a Ferrari e o piloto apreensivos com um possível dano na caixa de câmbio. Antes do início da corrida, neste domingo, quando dava volta para formar o grid, o carro apagou e ele foi comunicado que ficaria de fora do GP, pois não havia o que fazer. A e equipe ainda investiga a origem do problema.

"Precisamos entender totalmente o que aconteceu. O problema está no eixo do motor do lado esquerdo, não é um problema de caixa de câmbio. A caixa de câmbio estava bem para a corrida. O que aconteceu está do outro lado do acidente, pode não ter relação", afirmou. "Vamos esperar para ver. Temos que analisar as peças e os dados para obter uma explicação", concluiu Matia Binotto, chefe da Ferrari, em entrevista ao canal Sky Sports.

Sem a oportunidade de disputar a corrida em casa, Charles Leclerc ocupa a sexta colocação da Fórmula 1, com 40 pontos. Enquanto isso, a disputa pelo título pegou fogo com a vitória de Verstappen, que chegou aos 105 pontos, ultrapassou Hamilton, que tem 101, e subiu para a primeira colocação. Norris está em terceiro, com 56.

Na disputa das equipes, a Red Bull vem em primeiro (149 pontos) , seguida por Mercedes (148) e McLaren Mercedes (80). A próxima etapa será o GP do Azerbaijão, marcado para o dia 6 de junho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.