Reprodução
Reprodução

'Impossível não comparar, diz ex-colega de Senna na F-1 sobre Verstappen

Gerhard Berger foi companheiro de equipe do brasileiro na McLaren

O Estado de S.Paulo

16 de novembro de 2016 | 11h30

Grande amigo de Ayrton Senna nos tempos em que o tricampeão brilhava nas pistas de Fórmula 1 por todo o mundo, Gerhard Berger é uma das pessoas que mais tem propriedade para falar sobre o ídolo brasileiro. E o austríaco, ex-piloto da McLaren, acredita que um novo fenômeno chegou à categoria. Trata-se de Max Verstappen, piloto de apenas 19 anos e que deu um verdadeiro show na corrida de Interlagos, no último domingo.

"Quando vejo Max, Senna vem à minha mente. Esta é a primeira vez que digo algo assim, já que era muito próximo de Ayrton e acho que ele foi o melhor: na sua personalidade, pilotagem, resultados e preparação. Ele era diferente de todo mundo. Sempre respeitei isso, de modo que sempre evitei comparações, mas com Max é difícil não fazê-lo", disse o piloto, citando o grande desempenho do garoto holandês no GP do Brasil. "Foi espetacular. Ele sempre estava testando novas linhas, inclusive atrás do safety-car ele estava estudando o circuito. (...) Ele sabia exatamente o que fazer, o que é incrível nesta idade. Ele foi lá e encontrou linhas impossíveis, fazendo os outros parecerem juvenis. Seu controle do carro, tal como se viu no incidente no meio da reta, foi uma loucura".

E o ex-piloto, que foi companheiro de equipe de Senna em 1991 e 1992, não foi o único a elogiar a categoria do garoto ao pilotar um carro de Fórmula 1. "A forma como ele pilotou nas últimas 15 voltas foi incrível. Não são todos os dias que vemos uma corrida como esta. O que presenciamos em Interlagos foi algo muito, muito especial. Acho que está no mesmo nível de Senna e Schumacher. É preciso comparar isto com os grandes momentos da história", declarou Christian Horner, diretor da Red Bull, equipe em que Verstappen corre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.