EFE
EFE

Incêndio destrói motos de categoria elétrica e adia início do seu 1º campeonato

Informações da imprensa espanhola são de que 20 motocicletas foram destruídas em paddock

Redação, Estadão Conteúdo

14 de março de 2019 | 11h02
Atualizado 15 de março de 2019 | 17h47

Recém-criada, a Copa do Mundo de MotoE sofreu um revés de peso. Nesta quinta-feira, a categoria de motos elétricas, que está prevista para a ter sua primeira temporada disputada neste ano, precisou suspender e cancelar os testes no circuito de Jerez de la Frontera, na Espanha, após um incêndio causar "grandes danos e prejuízos" nos equipamentos, o que também forçou o adiamento do início do campeonato.

Os dirigentes da categoria de motovelocidade explicaram que ninguém se machucou durante o incêndio, ocorrido no paddock construído na pista. E as causas para o incidente ainda não foram reveladas, mas estão sob investigação.

As informações da imprensa espanhola são de que 20 motocicletas foram destruídas quando estavam sendo recarregadas nesta quinta, no segundo dos até então três dias de testes que estavam previstos para Jerez.

A previsão inicial era de que o campeonato da MotoE se iniciasse em 5 de maio, com uma etapa exatamente no circuito de Jerez. Mas diante do incidente, os organizadores apontaram que "mudanças no calendário" estavam sendo consideradas. E a corrida no circuito espanhol já havia sido cancelada.

Na MotoE, as motocicletas têm uma velocidade máxima de 270km/h. E a categoria possuirá no seu grid alguns pilotos com passagem pela MotoGP, como o espanhol Sete Gibernau.

As provas terão até 15 minutos de duração, tendo sido agendadas como eventos de suporte para os finais de semana de etapas da MotoGP. Além da corrida em Jerez, também compunham o calendário etapas na França, Alemanha, Áustria e San Marino, sendo esta com duas corridas.

Para Entender

Fórmula 1: O guia da temporada 2019

Com nova regra de pontuação, campeonato pode coroar Lewis Hamilton como o segundo maior piloto da história

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.