Indianápolis: brasileiros em destaque

Os pilotos brasileiros continuam acelerando forte no oval de Indianápolis. Nesta quinta-feira, quando parte do treino foi prejudicado pela chuva, Bruno Junqueira, com G-Force/Chevy, foi o segundo mais rápido, perdendo apenas para o norte-americano Greg Ray, com Dallara/Chevy, que marcou na melhor volta a média de 365,711 km/h. Aírton Daré, com um Dallara/Chevy, foi o terceiro; Felipe Giaffone, com um G-Force/Chevy, o quinto e Hélio Castro Neves com um Dallara/Chevy, o sexto. No domingo, no Bump Day, os pilotos completarão as 33 posições do grid de largada.Raul Boesel, 44 anos, que já garantiu sua posição na primeira fila com o terceiro melhor tempo, foi quem mais lucrou com os treinos em Indianápolis. Assinou contrato e correrá toda a temporada da Indy Racing League, defendendo a equipe Menard. Boesel será, portanto, o quinto brasileiro no campeonato. Os outros são Aírton Daré (equipe A.J. Foyt), Felipe Giaffone (Mo Nunn) e a dupla da Penske, Gil de Ferran e Hélio Castro Neves.Esta será a 13ª vez que Boesel corre em Indianápolis. Seu melhor resultado foi em 1989 quando terminou em terceiro lugar. Boesel ainda liderou a corrida em três oportunidades: 1989, 93 e 95.Pole simulada - Bruno Junqueira, pole da prova, está otimista depois dos últimos treinos com o G-Force/Chevy da equipe Chip Ganassi. ?Como já tínhamos uma idéia do que seria o set up ideal para a prova, estamos aproveitando os treinos para colocar em prática o acerto. Procuramos simular condições de corrida, andando no tráfego e com o tanque cheio. E o resultado foi bem positivo.? Bruno disputa o campeonato da Cart e venceu a última corrida da temporada, disputada em Motegi, no Japão. O piloto brasileiro correrá ao lado do sueco Kenny Brack e do norte-americano Jeff Ward.As equipes que estão disputando o grid de largada das 500 Milhas em Indianápolis ainda terão nesta sexta-feira e sábado para acertar seus carros. Com a mudança do regulamento, só os três pilotos primeiros colocados estão garantidos. Os demais estarão brigando pelas 30 vagas que restam.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.