Indianápolis decide o pole position

Sair da pista com US$ 100 mil no bolso. É com este objetivo que 41 pilotos, sete deles brasileiros, entram na pista neste sábado, na luta para conquistar a pole position na 86ª edição das 500 Milhas de Indianápolis, que será disputada no dia 26. O ?Pole Day? vai definir os 15 primeiros lugares no grid de 33 carros que participarão da prova. Os brasileiros inscritos nas 500 Milhas são Hélio Castro Neves, vencedor do ano passado, e Gil de Ferran, segundo colocado em 2001, ambos da Penske; Felipe Giaffone e Tony Kanaan, a dupla da MoNunn; Bruno Junqueira, da Chip Ganassi; Airton Daré, da A.J. Foyt; e Raul Boesel, que conseguiu um lugar quinta-feira na equipe Menard, substituindo o norte-americano PJ Jones, que bateu no muro quando treinava na terça-feira, fraturou uma das vértebras e não vai correr. Os cinco primeiros têm boas chances de fazer a pole, no treino que terá sete horas de duração (das 13 às 20 horas, de Brasília). ?Posso brigar pela primeira colocação?, disse Junqueira, com base dos treinos da semana, quando esteve sempre entre os mais rápidos. ?Tanto eu como o Gil temos chances, mas a classificação vai ser equilibrada, não dá para fazer prognósticos?, preferiu Helinho. ?A pole é legal, mas o importante é ficar entre os 15 primeiros, para garantir logo um lugar no grid?, entende Giaffone. Por etapas ? O grid das 500 Milhas de Indianapólis é definido em três treinos. No primeiro, neste sábado (o ?Pole Day?), os 15 melhores garantem vaga definitivamente. Detalhe: não é a melhor volta que vale para a classificação, e sim a média das quatro voltas rápidas a que um piloto tem direito. No domingo, a briga por um lugar no grid continua, para o preenchimento do 16º ao 33º lugar. Um preenchimento provisório. Isso porque no dia 19 será realizado o ?Bump Day?, a última chance para quem ainda não estiver classificado. Então, quem obtiver um tempo melhor do que alguns dos então classificados a partir do 16º lugar, entra no grid, empurrando o 33º para fora ? este, porém, terá direito a nova chance para recuperar um lugar na corrida. Detalhe: nas 500 Milhas, quem se classifica é o carro, não o piloto. Isso significa que um corredor pode colocar o carro no grid e acabar substituído por outro no dia da prova.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.