Indianápolis volta a ter piloto negro

As 500 Milhas de Indianápolis, hoje, têm uma novidade no grid. Na 32ª e penúltima posição de largada, estará um piloto negro, algo raro no automobilismo mundial. É George Mack, um californiano de 30 anos, que faz sua primeira temporada na IRL. Nas quatro primeiras etapas do campeonato, não conseguiu resultados expressivos. Mas vem tendo bastante destaque, inclusive nos Estados Unidos, justamente por ser uma exceção. Afinal, desde que Willy T. Ribbs disputou as 500 Milhas em 1991 e 1993, nenhum outro piloto negro participou da prova. No entanto, a cor é um tema que não agrada a Mack, um piloto que normalmente se mostra pouco simpático, seja qual for o assunto. "Eu sou negro?´´, responde Mack, irritado. "Não importa a cor, o que realmente vale é você ter talento. E tive dificuldades econômicas para chegar aonde cheguei. Teria sendo negro, branco ou amarelo.´´ Mack tem razão. O que vale é o talento. No entanto, ele está na IRL - após passagens obscuras pelo kart e depois de trabalhar como piloto de testes em várias categorias, como a Nascar - porque sua presença faz parte da estratégia de seu time, o 310 Racing, originário de uma empresa que personaliza carros nos Estados Unidos e que se apresenta como "a primeira equipe african-american´´ da IRL. Seus proprietários e principais diretores são negros. E entre seus clientes estão os astros da NBA Shaquille O?Neal e Kobe Bryant e o ator Denzel Washington. George Mack conta que no início da carreira foi ajudado pelo pai. "Ele gastou suas economias para que eu pudesse competir no kart. Agora, faz o mesmo pelo meu irmão.´´ Na IRL, seu objetivo é crescer constantemente. "Quero evoluir como piloto e conquistar resultados. Eu penso que corrida é dar o melhor que se pode. Isso importa mais do que qualquer outra coisa.´´ Para ele, no entanto, não deverá ser fácil ir bem nas 500 Milhas. Até porque não está totalmente recuperado de uma labirintite que passou a atormentá-lo depois de algumas batidas no muro durante treinos, e que inclusive ameaçou sua presença na prova de hoje. "Eu não estou 100%, mas já me sinto melhor e creio que não iria piorar. Por isso, vou correr.´´

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.