Indy faz prova ?indesejada? no Texas

A F-Indy realiza no próximo fim de semana, em Fort Worth, sua "corrida indesejada?? da temporada. Os pilotos não queriam competir no Texas Motors Speedway, por considerarem a pista oval de 1,5 milha (2,41 km) insegura. As reclamações foram muitas, principalmente por causa da inclinação da pista, que chega a 25 graus em alguns trechos. Os pilotos argumentam ainda que as ondulações; a perspectiva de os carros andarem muito próximos uns dos outros e as altas velocidades durante todo o GP, aumentam os riscos de acidentes. Não teve jeito. O interesse comercial prevaleceu - o Estado do Texas é um ótimo mercado para patrocinadores de equipes e da Cart, organizadora do campeonato - e a prova, em 600 quilômetros, está confirmada."Não teve um piloto que concordou em correr no Texas. Reclamamos muito, colocamos nossa posição. Mas, com toda a chiadeira, vamos correr. É incrível??, diz o brasileiro Cristiano da Matta, da Newman-Haas, líder do campeonato, com 37 pontos após duas etapas. O GP vai ser o primeiro da F-Indy na pista texana, que há alguns anos recebe etapas da Indy Racing League (IRL) e da Nascar.A prova, porém, só foi garantida depois que o autódromo passou por uma série de obras, solicitadas pelos pilotos e pela diretoria da Cart. "Foi elaborada uma lista de sugestões que tinha duas folhas. Faltavam até coisas básicas, como a colocação de muros nos boxes, grama nas áreas de escape, alambrados. Eles (os organizadores) fizeram tudo o que foi pedido. Então, não há por que não correr??, entende Maurício Gugelmin, da PacWest, presidente da associação dos pilotos.Ainda assim, há uma certa apreensão. Nem tanto em função dos treinos que acontecem a partir de sexta-feira, mas com a corrida de domingo. "Para mim, o maior problema é que o circuito é muito rápido e vamos andar de pé embaixo o tempo todo. Como o carros irão andar bem próximos, vai ter muita troca de vácuo. Por isso, qualquer descuido é acidente quase certo??, acredita Cristiano.Com tantos problemas, além de atender a todas as reivindicações, os organizadores do GP demonstraram nas últimas semanas grande preocupação em criar um clima favorável à corrida. Alguns pilotos visitaram o circuito e teve quem passou a crítico a defensor entusiasta da prova."A Cart precisava de uma prova no Texas, um grande mercado para os Estados Unidos e excelente vitrine para os patrocinadores. E as velocidades na pista serão seguras o suficiente para que nada aconteça??, diz o mexicano Adrian Fernandez, da Fernandez Racing.O "entusiasmado?? Fernandez só esqueceu um detalhe: o Texas já tinha uma prova da Indy antes da de Fort Worth - o GP de Houston.Gugelmin é mais realista. "A categoria está de olho em mercados novos e o Texas é interessante. A Indy é um negócio comercial??, admite. "Mas é claro que nós, pilotos, defendemos o negócio dentro das normas de segurança.?? No meio de tanta discussão, o sueco Kenny Brack, da Team Rahal, é um dos poucos não parece preocupado. Único piloto da Indy que conhece a pista - correu no Texas Motors Speedway em 1999, quando estava na IRL (Indy Racing League) -, ele prefere "olhar para o seu lado??. "Pela primeira vez, não estarei em desvantagem. Afinal, conheço a pista. Os outros, não??, brinca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.