Indy tem duelo entre Honda e Toyota

A quarta etapa da temporada de Fórmula Indy promete acirrar a rivalidade entre duas das mais famosas montadoras do mundo: Honda e Toyota. No GP do Japão, que começa na madrugada deste sábado (00h30), horário de Brasília, no circuito oval de Motegi, com transmissão pela Rede Record, estará em jogo a liderança do campeonato entre Cristiano da Matta (da New Men Hass, com motor Toyota) e Paul Tracy (Kool, com motor Honda), ambos com 40 pontos, e uma briga bem particular, representada também pelos dois japoneses na Indy: Shinji Nakano e Toranosuke Takagi. O primeiro dirige um Honda; o outro, um Toyota. O moderno autódromo de Motegi, uma cidade distante de Tóquio pouco mais de duas horas, por meio de trem-bala, é propriedade da Honda, patrocinadora oficial do GP do Japão. Ele foi adquirido por US$ 200 milhões em 1997. No entanto, a Honda amarga o desgosto de não ter vencido nenhuma das três corridas da Indy, realizadas no local. "Vencer em casa é motivo de orgulho" disse o assessor de Imprensa da Honda, Dan Layton. Para alcançar o objetivo, após o último GP, o de Nazareth, a montadora programou testes por um dia inteiro para ajustes do motor, aproveitando-se do fato de que as duas pistas são ovais. O piloto Hélio Castro Neves (Penske), um dos destaques nos treinos livres de quinta-feira, reforça a idéia de que o GP do Japão este ano, apresenta esta conotação de duelo caseiro. "Para a Honda, é muito importante a vitória em Motegi; estão fazendo de tudo para alcançá-la", disse o brasileiro, quinto colocado na competição, com 29 pontos, e que também levará à pista um carro com motor Honda. "Embora, as duas montadoras sejam japonesas, existe esta forte identificação da cidade de Motegi com a Honda. "Se Cristiano da Matta e o vencedor do GP de Nazareth Scott Dixon (PacWest e que utiliza a Toyota) não conseguirem o ímpeto dos donos da casa, caberá aos pilotos de carros com motor Ford tentar repetir o que vem sendo feito há três anos. O sueco Kenny Brack (da Rahal), por exemplo, pode ser um obstáculo as pretensões da Honda: ele divide o quinto lugar com Hélio Castro Neves e é apontado como um dos favoritos da prova. Em 1998 e 1999, o mexicano Adrian Fernandez e, em 2000, o italiano Michael Andretti foram os vencedores do GP do Japão - nas três vezes, com a potência do Ford. A corrida na madrugada deste sábado terá 201 voltas, num total de 311 milhas, ou seja 500 quilômetros. O recorde da pista é do brasileiro Gil de Ferran (Penske), obtido em 1999, de 25S463. Em 2000, o poli position foi o arrojado piloto colombiano Juan Pablo Mantoya, hoje brilhando na Fórmula 1.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.