Indy tenta superar trauma do GP Texas

A Fórmula Indy começa de forma efetiva nesta sexta-feira a tentativa de superar o trauma do cancelamento do GP do Texas, no último domingo, por falta de segurança para os pilotos, com a realização dos treinos livres para o GP de Nazareth, que ocorre domingo e tornou-se a terceira etapa da temporada. Com a entrada dos carros na pista trioval de 1,522 metros (0.946 milha) do Nazareth Speedway, os dirigentes da Cart, entidade que dirige a categoria, esperam ter aliviada a pressão que enfrentaram nos últimos dias. Desde o domingo, o principal assunto no automobilismo norte-americano tem sido o fiasco ocorrida no Texas Motor Speedway.O circuito de Nazareth, que é considerado um trioval por ter três curvas, também é considerado bastante veloz por sua extensão. ?A gente faz a volta praticamente sem tirar o pé. Só usamos o freio na curva 3?, explicou Cristiano da Matta, da Newman-Haas, o líder do campeonato com 37 pontos. Para Tony Kanaan, a corrida tem um significado especial. Ele pretende recuperar-se do insucesso do ano passado, quando perdeu uma corrida praticamente ganha. ?Tenho umas pendências para resolver nesta pista e pretendo resolver?, disse.Kanaan está com a corrida de 2000 entalada na garganta porque, após liderar por 39 voltas, já na segunda parte da prova, viu suas chances de vitória irem por água abaixo por conta de um pit stop equivocado. A equipe o chamou na hora errada, levou muito tempo para trocar pneus e reabastecer e o brasileiro perdeu várias posições. Então teve de se conformar com o oitavo lugar na prova, vencida pelo brasileiro Gil de Ferran, da Penske.Os pit stops, aliás, continuam sendo um problema para a equipe Mo Nunn. Os mecânicos perdem muito tempo na operação, o que resulta, invariavelmente, em perda de posições. Para tentar corrigir os problemas, o time vem treinando bastante os pit. No mês passado, inclusive, fez três dias de treinos específicos de pit em sua sede, em Indianápolis.Outro problema para Kanaan é que a Mo Nunn não testou em ovais durante a pré-temporada. ?Em compensação, o dono da equipe (Morris Nunn) é um especialista em acerto para ovais?, disse o brasileiro. Morris foi por muito tempo engenheiro-chefe da Chip Ganassi, inclusive nos quatro anos em que o time foi campeão da Indy. Com ele no comando, a Ganassi ganhou em Nazareth em 1998 (com Jimmy Vasser) e em 1999 (com Juan Pablo Montoya). ?Esse retrospecto do Morris me dá um pouco mais de confiança.? Apesar da disposição que demonstra para recuperar-se da frustração do ano passado, Tony Kanaan confessa que não se sente muito à vontade na pista. Ovais curtos não agradam ao piloto. ?É realmente não gosto muito. É o tipo de pista em que você não pode se dar ao luxo de perder a concentração. Se perder, é muro na certa.?Consternação - A F-Indy foi abalada nesta quinta-feira com a notícia da morte de Giuliano, de 6 anos, filho de Maurício Gugelmin. O garoto morreu por complicações respiratórias, em Miami.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.