Instituto Ayrton Senna faz exposição

Já está aberta ao público a mostra Tributo a Ayrton Senna, que reúne esculturas, pinturas a óleo, sobre tela, acrílico e cerâmica, de importantes artistas, além de réplicas dos capacetes dentre outros objetos usados pelo ex-piloto. A maioria das obras pertence ao Instituto Ayrton Senna, foram selecionadas pela família de Senna e a curadora Sandre Setti. Muitas delas saíram pela primeira vez da sede do Instituto. A mostra está elegantemente exposta em vários mezaninos do Hotel Hilton São Paulo Morumbi, na avenida Nações Unidas, 12.901, e fica lá até dia 29.A exposição faz parte do projeto de homenagear a última vitória brasileira no GP do Brasil, conquistada por Senna, na edição de 1993, em Interlagos, depois de performance extraordinária com sua McLaren.Dentre as obras de arte, uma das atrações é a escultura do ex-piloto em bronze, não superior a 30 centímetros de altura, assinada por Wilson Iguti. A mãe de Senna, dona Neide, participou ativamente na definição dos traços do rosto e o resultado impressiona pela fidelidade. Outro trabalho de elevado valor artístico é a pintura sobre cerâmica do italiano Sante Ghinassi, chamado de "Rosto", caracterizado pela profundidade com que retratou a expressão de Senna antes da largada da prova em que perdeu a vida, em Ímola, dia 1º de maio de 1994.Década - Ano que vem o mundo lembrará o décimo aniversário da perda de Senna. Rodrigo Silveira, Diretor de Marketing do Instituto, disse nesta terça-feira que serão promovidos vários eventos celebrando a data: "Os fãs de Ayrton terão um novo contato com sua obra e as novas gerações poderão compreender o que ele representou não só como esportista mas também como homem." Depois lembrou: "As 970 mil crianças atendidas pelo Instituto representam a concretização de um sonho do Ayrton." Há planos para reunir todos os carros pilotados por Senna, as indumentárias usadas, tudo original. "O objetivo é criar um movimento mundial." Outro projeto que pode decolar a partir dessa iniciativa é a formação de um museu, explicou Silveira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.